25/04/2024 - Edição 540

Mundo

Sob Milei, a fome se alastra na Argentina

Taxa de pobreza chega a 57% no país

Publicado em 07/03/2024 1:25 - UOL

Divulgação Reprodução

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Débora Blanco viveu durante anos com seus oito filhos em uma casa nos arredores de Buenos Aires sem portas ou janelas adequadas, nem eletricidade, gás encanado, água corrente ou esgoto. Agora ela também não tem comida suficiente para comer.

A taxa de pobreza da Argentina chegou a 57% no início do ano, segundo um estudo recente, com milhões de pessoas como Blanco lutando contra uma inflação de três dígitos e sofrendo com a forte desvalorização do peso em dezembro, que reduziu o valor real do dinheiro das pessoas.

Esse sofrimento nas comunidades pobres argentinas ocorre em meio à agressiva iniciativa de austeridade do novo presidente libertário Javier Milei, que busca reverter um déficit profundo e controlar a inflação de mais de 250% —antes de perder o apoio popular.

Seus planos incluem reduzir o tamanho do Estado, cortar subsídios para combustível e transporte, fechar instituições estatais e auditar programas de bem-estar social.

Milei, um economista, está pedindo paciência e diz que suas reformas duras são necessárias. Esse argumento o levou ao cargo, conquistando muitos eleitores, nas eleições de novembro passado, que estavam cansados do fato de a economia estar passando de uma crise para outra.

Mas argentinos como Blanco não vão esperar para sempre. Os protestos contra os cortes de gastos de Milei já estão começando a crescer e as greves se tornaram uma ocorrência regular.

“Estamos passando necessidade, às vezes não tenho comida ou leite para as crianças. Os preços dos alimentos estão nas alturas”, disse Blanco, de 43 anos, que trabalha coletando lixo para reciclagem e recebe um subsídio do Estado.

“Não conseguiremos sobreviver cinco ou seis meses, como diz o governo. Não acredito que as pessoas consigam sobreviver por tanto tempo”, diz Débora Blanco, que trabalha com coleta de lixo.

Do lado de fora do Congresso na sexta-feira, enquanto o presidente falava lá dentro, milhares de pessoas protestaram, agitando faixas contra o aumento dos custos de transporte, as privatizações e os planos de reforma de Milei.

“Eles desvalorizaram nossos salários, estão interferindo em nossas pensões e há aumentos brutais nos preços”, disse o líder esquerdista do protesto, Guillermo Pacagnini. “Agora é a hora de lutar.”

Milei prometeu um equilíbrio fiscal este ano, após um déficit de cerca de 3% no ano passado, uma medida que foi bem recebida pelos mercados e ganhou o apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI). Mas ele admite que o caminho será difícil para os argentinos comuns.

“Levará algum tempo até que possamos ver os frutos da recuperação econômica e das reformas que estamos implementando”, disse ele em seu discurso no Congresso. “Peço-lhes paciência e confiança porque, por mais escura que seja a noite, o Sol sempre nasce pela manhã.”

‘As pessoas estão passando fome’

A Argentina, governada pelos peronistas de esquerda durante a maior parte das últimas décadas, tem sistemas de bem-estar social robustos, embora o governo de Milei os tenha criticado por causa dos custos e da corrupção, prometendo uma reforma e, ao mesmo tempo, protegendo os mais vulneráveis.

“Estamos trabalhando para melhorar a transparência”, disse o porta-voz da presidência, Manuel Adorni, em uma coletiva de imprensa em fevereiro. “Mas a ajuda aos refeitórios populares nunca será cortada.”

Manter a pobreza — e a agitação social — sob controle é fundamental para Milei, representando talvez a maior ameaça à governabilidade e à recuperação do mercado que seu aperto fiscal provocou.

O FMI, que concedeu um empréstimo de 44 bilhões de dólares à Argentina — o maior de todos os países do mundo — aplaudiu Milei, embora tenha enfatizado a importância de garantir a proteção dos mais pobres.

No entanto, no terreno, as ONGs que distribuem alimentos para os pobres disseram que o fornecimento de ajuda alimentar foi reduzido nos últimos meses, mesmo que mais pessoas estivessem recorrendo aos refeitórios populares devido ao aumento dos custos dos alimentos.

“A situação atual é dramática. As pessoas estão realmente passando fome”, disse Leonardo Álvarez, um varredor de rua e pastor que coordena a entrega de alimentos com a ONG Sal da Terra na comunidade de Villa Fiorito, ao sul de Buenos Aires.

O governo não respondeu a pedidos de comentários para esta reportagem, mas disse que está avaliando vários benefícios sociais atuais para melhorá-los.

Agustín Salvia, pesquisador da pobreza na Universidad Católica Argentina, disse que a maioria dos argentinos estava se apegando à esperança de recuperação econômica com o aumento da produção de grãos — mas, enquanto isso, as dificuldades estavam se espalhando.

“A rede de segurança social está se enfraquecendo”, disse Salvia, acrescentando que somente o fato de os argentinos estarem endurecidos após anos de crise econômica estava impedindo uma agitação mais séria.

“Estamos em um momento difícil em termos de segurança alimentar e do processo de empobrecimento crônico na Argentina.”


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *