21/02/2024 - Edição 525

Poder

Partido vai ao STF contra ‘censura’ da CGU a servidores públicos

Publicado em 07/08/2020 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O PSB acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a nota técnica elaborada pela Controladoria-Geral da União que prevê “apuração disciplinar” da divulgação por funcionários federais “de opinião acerca de conflitos ou assuntos internos, ou de manifestações críticas ao órgão ao qual pertença”. 

A ação foi protocolada pelo deputado Alessandro Molon no último dia 5 e pede a suspensão imediata do conteúdo da normativa da CGU.

No texto apresentado ao Supremo, o partido argumenta que ao estipular uma espécie de “censura prévia” aos servidores públicos federais, a interpretação conferida pela CGU à lei dos servidores públicos viola os princípios da liberdade de expressão previstos na Constituição.

“A proibição de críticas ao órgão e ao próprio governo nas redes sociais configura verdadeira mordaça aos servidores públicos, que, diante da mera possibilidade de punição administrativa, passam a dirigir seus comportamentos, corações e mentes pela lógica do medo e da desconfiança. A democracia pressupõe discordância e debate público sobre os melhores rumos para o país, dentro dos limites da lei”, diz a legenda.

Assédio moral

O Bolsonaro registrou, em média, um caso de assédio moral por dia desde que o capitão assumiu em 2019. Segundo levantamento feito pela Folha de S. Paulo em dados da CGU (Controladoria-Geral da União) até o momento foram registrados 680 denúncias feitas por servidores federais.

Lideram a lista os ministérios da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Educação, Saúde e Economia, além de Polícia Federal e a própria CGU. Instituições de ensino também aparecem na lista, como a Universidade Federal de Goiás, no topo do ranking.

Os dados mostram que houve um aumento significado em comparação com a gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB). Este aumento foi de 20% em relação aos 356 casos registrados em 2018 e de 49% ante os 285 em 2017.

De acordo com a CGU, parte do aumento de manifestações está relacionada ao crescimento de usuários da plataforma chamada de Fala.br.

A Folha de S. Paulo ouviu relatos de perseguição de servidores por causa de ideologia. Termos como “esquerda”, “petista” e “Lula livre” já foram usados por superiores hierárquicos para questionar o posicionamento político de funcionários públicos.

Outros problemas relatados são supostas ameaças constantes de exoneração e abertura de processos administrativos. Entidades de representação afirmaram que há servidores federais que têm tirado licença não remunerada para evitar passar por constrangimentos.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *