28/05/2024 - Edição 540

Poder

Isolado, Ciro Gomes diz que PT, PSDB e MDB agiram contra sua candidatura

Publicado em 03/08/2018 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Isolado na corrida presidencial, Ciro Gomes, candidato do PDT, afirmou que sabia "bastante bem" que "era o cabra marcado para morrer". "Trabalham juntos, para me isolar, o PMDB, do Temer, o PSDB, do Alckmin, e o PT, do Lula", disse.  

"A burocracia do PT não está pensando no país. Eles simplesmente não querem que eu seja o candidato que vá representar uma renovação do pensamento progressista brasileiro. Mas eu não sei se eles vão conseguir porque eles têm aí um negócio muito maravilhoso, que é o povo", disse Ciro, que reiterou ter apoiado Lula nos últimos 16 anos —"não faltei nenhum dia".

As cúpulas do PT e PSB decidiram sacrificar candidaturas estaduais em nome de um pacto nacional que levará ao isolamento de Ciro. Em meados de julho, após longo tempo de indefinição, a cúpula do centrão, então dividida entre apoiar o PSDB e o PDT, decidiu-se pelo candidato tucano. 

Ciro afirmou que acredita ser injusta a condenação de Lula, mas que também considera o comportamento do PT "hostil a sorte do povo brasileiro". 

"Virou baderna. Baderna, não, virou religião. Agora, o companheiro Stédile [líder do MST] chamou seis camaradas para fazer greve de fome. Vai lá, companheiro, morrer aí. Na minha opinião, isso não é política, é caudilhismo do mais barato", afirmou. 

Na terça-feira (31), manifestantes que pedem a libertação do ex-presidente Lula anunciaram o início de uma greve de fome em ato no STF (Supremo Tribunal Federal). Após lerem um manifesto, seis ativistas foram retirados da frente do prédio por seguranças da corte. 

Ciro também se defendeu das críticas ao seu estilo verborrágico, mas admitiu que a postura pode prejudicá-lo. "Eu não sou candidato a madre superior do Brasil, eu sou candidato a presidente do Brasil", disse após insistentes perguntas sobre seu temperamento. 

Agora, ele terá de se contentar com o tempo de 2 minutos e 20 segundos no horário eleitoral gratuito caso não consiga se aliar a outro partido. Ele contava com os 3 minutos e 50 segundos a que o PSB tem direito para aumentar sua exposição no rádio e na televisão.

Para Ciro, o PT ensaia uma “valsa no abismo” ao insistir na candidatura de Lula, condenado e preso na Operação Lava Jato. O partido vai oficializar o nome do ex-presidente como seu candidato na disputa presidencial em convenção marcada para este sábado (4).

Vice

No encontro dos dirigentes dos partidos de esquerda, na última terça-feira (31), Gleisi Hoffmann disse ao presidente do PDT, Carlos Lupi, que o PT estava oferecendo a vaga de candidato a vice de Lula a Ciro.

Lupi, a princípio, levou na brincadeira. Quando percebeu que era sério disse que o convite deveria ter vindo há duas semanas, antes da convenção do PDT que oficializou a candidatura de Ciro ao Palácio do Planalto. Os petistas admitem que a operação não será fácil, mas dizem acreditar que o isolamento de Ciro na disputa pode acabar na formação de uma aliança da esquerda

Ciro atacou o PT ao ser questionado sobre a proposta. "Eu acho uma aberração. Porque eu sou candidato do PDT", disse. "O PT é um dos grandes responsáveis pela tragédia que o Brasil está vivendo neste momento."

Ele afirmou, porém, não guardar ressentimento do partido. "Ressentimento não é palavra que se use em política. Eu acho uma coisa estranha porque não sei o que que eu fiz para receber um tratamento desta natureza, tão desleal."


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *