25/02/2024 - Edição 525

Mato Grosso do Sul

Governo define plano de implantação de rede de energia elétrica no Pantanal

Publicado em 21/09/2017 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) parabenizou os produtores rurais pantaneiros pelos avanços tecnológicos da pecuária dentro do bioma, em harmonia com a sustentabilidade dos seus recursos naturais, por mais de 200 anos, e anunciou para os próximos dias a apresentação do plano de implantação da rede de energia elétrica na região, que está sendo definido pelo Governo do Estado e a empresa Energisa.

Azambuja participou da abertura da Feira Agropecuária do Pantanal (Feapan), na noite de quarta-feira (20), e garantiu que a planície será integrada por uma rede de energia elétrica e também por energia fotovoltaica, esta prevista em regiões de difícil acesso para implantação de linhões. “O estudo está praticamente finalizado e nosso governo está empenhado em atender esta antiga demanda dos pantaneiros”, disse.

A chegada da energia ao Pantanal, segundo o governador, é uma das alternativas viáveis que o Governo do Estado tem buscado para melhorar a rentabilidade da pecuária com o desenvolvimento sustentável do ecossistema. Ele citou ainda os investimentos do Estado em infraestrutura, com a implantação de estradas que vão tirar o pantaneiro do isolamento, além de melhorar a produção e a rentabilidade do agronegócio.

Envolver o MP nas discussões

“Com as várias frentes de obras, estamos interligando os pantanais do Paiaguás e da Nhecolândia, fato impensável no passado pelas dificuldades peculiaridades da região”, comentou Reinaldo Azambuja, que, pouco antes de participar da abertura da Feapan, autorizou, em ato em comemoração aos 239 anos de Corumbá, o processo licitatório de 40 quilômetros da estrada MS-228, que beneficia as duas regiões.

O governador destacou os índices econômicos divulgados pelo Jornal Valor Econômico, segundo os quais Mato Grosso do Sul é um dos cinco estados mais competitivos do País, para reafirmar o compromisso do seu governo com o setor produtivo rural, um dos esteios da economia regional. “Temos grandes desafios e um deles é a logística, e aqui no Pantanal não é diferente. Por isso, estamos abrindo estradas e trazendo a energia”, pontuou.

Reinaldo Azambuja disse que em outubro volta a discutir com o governador de Mato Grosso, Pedro Taques, a Carta Caiman, assinada no ano passado no Refúgio Caiman, em Miranda, para definir ações integradas principalmente quanto à legislação ambiental. Ele considerou “um grande ganho” ao Pantanal a discussão de novas alternativas de desenvolvimento sustentável com a participação do Ministério Público, governo e setor produtivo.

Acesso mudará a pecuária

A abertura da Feapan, que reúne a força do agronegócio pantaneiro, foi prestigiada por um grande número de produtores e contou com a presença dos prefeitos de Corumbá (Ruiter Cunha) e Ladário (Carlos Ruso). Também participaram os deputados estaduais Rinaldo Modesto, Felipe Orro e Beto Pereira e os secretários de Estado Eduardo Riedel (Governo e Gestão Estratégica) e Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento, Produção e Agricultura Familiar).

O presidente do Sindicato Rural de Corumbá, que promove a feira com o apoio do Governo do Estado e da Prefeitura, Luciano Leite, agradeceu a palavra empenada pelo governador em atender às demandas do produtor pantaneiro, as quais, conforme disse, estão se tornando realidade. “As estradas de penetração que estão sendo feitas pelo governo vão mudar a nossa pecuária, permitindo que o produtor tire gado gordo sem dificuldades”, frisou.

A Feapan segue até domingo, no Parque de Exposição Belmiro Maciel de Barros. Nesta quinta-feira (21.9), será realizado o primeiro leilão, reunindo cerca de mil animais de cria, recria e engorda. Amanhã, haverá leilão de 200 touros, e no sábado, de 40 cavalos pantaneiros. Todos os dias haverá shows gratuitos, palestras, cursos e provas do laço comprido. O Sindicato Rural estima uma comercialização de animais e insumos agrícolas acima de R$ 30 milhões.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *