15/06/2024 - Edição 540

Mato Grosso do Sul

Equipes de MS seguem com buscas e resgates em cenário devastado por enchentes no Rio Grande do Sul

Estudantes se engajam em campanha e doações chegam todos os dias nas escolas

Publicado em 17/05/2024 10:07 - Semana On

Divulgação Gov MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Policiais e bombeiros de Mato Grosso do Sul permanecem em terras gaúchas junto com representantes de outros estados no atendimento que inclui buscas, resgates, distribuição de alimentos e remédios.

Em cidades como Rocas Sales, bombeiros sul-mato-grossenses procuram vítimas das enchentes com a ajuda de um drone e da cadela farejadora Laika, da raça pastor holandês. Entre os desaparecidos estão seis pessoas de uma mesma família.

Imagens feitas pela equipe mostram como o trabalho está sendo feito em um local devastado pelos alagamentos. O grupo, que saiu de Campo Grande na segunda-feira (12), conta com especialistas em salvamento terrestre, aquático e de altura.

Na quinta-feira (16) retorna a Campo Grande a primeira equipe de bombeiros de Mato Grosso do Sul enviada para ajudar no atendimento às vítimas da pior tragédia climática do Rio Grande do Sul. Desde a chegada à cidade de São Leopoldo, os militares fizeram 613 salvamentos e outras 512 ações humanitárias.

Outras duas equipes dos bombeiros de MS permanecem no Estado gaúcho, assim como um helicóptero da Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública) usado por policiais militares que já fizeram 114 resgates de pessoas e animais, além do transporte de marmitas (1.350), outros alimentos (1.750 kg), garrafas de água (2.050), cobertores e medicamentos.

Doações

No início da semana 15 mil cobertores doados para o Estado gaúcho saíram de Campo Grande em voos comerciais. Todo o trabalho de transporte foi organizado pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil Estadual.

A população também pode ajudar as vítimas com doações. Todas as escolas da Rede Estadual e unidades das forças de segurança de Mato Grosso do Sul, como Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar, os campi da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), o Centro de Convenções Albano Franco e o edifício da Fiems estão arrecadando alimentos não perecíveis, produtos de higiene e de limpeza, água mineral, roupas de cama e banho e roupas e calçados em bom estado.

Estudantes se engajam em campanha e doações ao RS chegam todos os dias nas escolas

Assim que o governador Eduardo Riedel anunciou que todas as escolas da REE/MS (Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul) são pontos de arrecadação de doações para as famílias afetadas com as chuvas no Rio Grande do Sul, as escolas já começaram as se organizar para receber esses donativos.

De acordo com Adalberto Nascimento as escolas foram informadas e orientadas de como proceder com os donativos recebidos e também incentivar os alunos a levarem doações.

“As escolas, justamente por seu papel de instruir e educar os estudantes, acabam sendo o ponto focal de maior conscientização e solidariedade. É por meio da direção, dos professores e demais funcionários que são conscientizados e incentivados todos os estudantes da nossa rede de ensino. E os alunos por sua vez, sejam eles crianças, jovens ou adultos, replicam essas atitudes nos lares de nossa toda sociedade, gerando uma onda de solidariedade e mobilização na arrecadação de alimentos, roupas, cobertores, entre outros”, afirma Adalberto.

O anúncio da arrecadação nas escolas foi feito no dia 6 de maio e no dia seguinte as unidades começaram a receber as doações dos alunos, pais, servidores e também da comunidade ao redor da escola.

As doações não param de chegar, todos os dias sacolas e caixas com alimentos não perecíveis, produtos de higiene e de limpeza, água mineral, roupas de cama e calçados são deixados nas escolas.

Os alunos se engajaram com a campanha. Na Escola Severino de Queiroz os estudantes tiveram a ideia de propagar a informação nos murais da escola, fazendo de próprio punho lembretes, informando sobre a ação e o que doar.

A aluna do 3º do Ensino Médio, Beatriz Barros, de 17 anos, acredita que os lembretes físicos causam mais impacto nos estudantes.

“Tivemos a ideia de fazer os lembretes para causar curiosidade nos alunos, assim que colocávamos nos murais, já ia alguém lá ver o que era e já começava uma conversa sobre a situação no Rio Grande do Sul “, conta Beatriz.

A ideia da criação dos lembretes foi da Maria Gabrieli Gomes, de 16 anos, também aluna do 3º ano, com familiares no Rio Grande do Sul, ela se sensibilizou com a tragédia e resolveu fazer de próprio punho os lembretes que foram espalhados na escola.

“Sou muito emotiva, toda aquela situação mexeu muito comigo, pedi para diretora para fazer a campanha e ela me disse que as escolas já seriam ponto de arrecadação, então pensei nos bilhetes para conscientizar os alunos sobre a ação e também para pedir doações”, explica Maria Gabrieli.

A diretora adjunta da Escola Severino do Queiroz, Fabiana Ferreira Aredes, contou que os alunos já queriam se mobilizar, antes mesmo da chegada da comunicação interna, informando da campanha.

“A escola por meio de uma ação de amor e solidariedade para com os atingidos pelas enchentes no Rio Grande do Sul, se mobilizou juntamente com a SED, na arrecadação de itens de primeira necessidade”, afirmou Fabiana.

Grêmio estudantil

A organização dos donativos que chegam nas escolas, fica por conta dos grêmios estudantis, que separam as roupas, calçados e alimentos e embalam para que  sejam levados ao Albano Franco, onde estão concentradas todas as doações do Governo do Estado.

De acordo com o diretor do CEEP Hércules Maymone, Renato Lima de Aguiar, a ação humanitária é de extrema importância para o auxílio aos necessitados, sendo também de grande valor aos que ajudam e em especial a estudantes crianças e adolescentes em formação, que são engajados em processos de colaboração e empatia, contribuindo significativamente no processo educacional de construção e exercício da cidadania.

“Aqui no Hércules Maymone, professores e servidores administrativos têm reforçado os lembretes que divulgamos nas redes sociais. Em especial nosso Grêmio Estudantil Elite também tem feito o trabalho de divulgação, recebimento e organização das doações. Já recebemos várias doações de membros da nossa comunidade e de outras pessoas que circulam pelo terminal ou passam por nossa unidade e deixaram aqui”, explica Renato.

O que doar

As unidades escolares vão receber alimentos não perecíveis, produtos de higiene e de limpeza, água mineral, roupas de cama e calçados. Vale ressaltar a importância do bom estado dos objetos doados.

Além das escolas, as sedes de forças de segurança também serão pontos de coleta, como as unidades da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. A população sul-mato-grossense também pode deixar doações no Edifício da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul (Fiems), unidades da Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) e Centro de Convenções Albano Franco.

As ações fazem parte do movimento “MS pela Vida, Unidos pelo Rio Grande do Sul” que é organizado pelo Governo do Estado, Sistema Fiems e pela Energisa, com apoio da Viação Cruzeiro do Sul e da Vitlog Transportes.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *