23/04/2024 - Edição 540

Legislativo

Com apoio de Zeca e Gleice Jane, assentados do Pantanal poderão ter escola e reduzir êxodo rural

Agricultores familiares discutiram na ALEMS projeto de construção de escola de ensino médio em assentamento no Pantanal

Publicado em 22/02/2024 2:07 - Semana On

Divulgação ALEMS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Projeto de construção de uma escola de ensino médio na região do Alto Pantanal para atender jovens de assentamentos pode ser concretizado no próximo ano com a ajuda de parlamentares da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS). Na tarde de terça-feira (20), os deputados Zeca do PT e Gleice Jane (PT) receberam, na Casa de Leis, representantes de agricultores familiares de Corumbá para tratar do assunto. A oferta do ensino médio é um caminho para a redução do êxodo da juventude rural – nos últimos dez anos, cerca de 2,2 mil jovens do Pantanal trocaram o campo pela cidade.

Conforme a proposta, a escola será construída em uma área de aproximadamente 15 hectares do assentamento Taquaral, em Corumbá. No local, há uma edificação onde funcionava uma estação experimental do campo e um prédio, que era usado pela Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer). “Hoje, funciona, no local, de forma precária, um posto de saúde. Então, também queremos discutir, junto com o projeto da escola, a demanda de construção de um posto de saúde no assentamento Taquaral e outro no assentamento Paiolzinho [também em Corumbá]”, detalhou o presidente da Associação da Escola Família Agrícola da Região Pantaneira, Sérgio da Silva Pereira.

De acordo com Sérgio Pereira, a ideia é iniciar o funcionamento da escola no próximo ano com duas turmas do primeiro ano do ensino médio com 40 alunos cada. O curso seria no âmbito do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera), ação do Governo federal que destina verbas a estudantes do ensino superior, mas também a alunos do ensino médio profissionalizante.

A proposta pedagógica é de trabalhar três eixos – produção, transformação pela agroindústria e comercialização -, aproximando as dinâmicas escolares do trabalho no campo. O projeto também inclui a adoção da pedagogia de alternância. “Os alunos vão ficar 15 dias na escola e 15 dias na comunidade”, afirmou o presidente da Associação. “Então, a escola vai precisar de alojamento, área de convivência, área de lazer, laboratórios”, acrescentou. “Esse processo de ir e vir é o que chamamos de pedagogia da alternância. Com isso, o estudante também poderá desenvolver projetos, pesquisas no próprio sítio. E os professores acompanharão todo esse processo”, explicou.

Sérgio Pereira e outros participantes da reunião disseram que um grave problema nos assentamentos é a saída do jovem do campo para a cidade. “Fizemos um estudo e verificamos que, nos últimos dez anos, aproximadamente 2,2 mil jovens da região saíram e não mais retornaram para o campo. Com isso, os sítios da reforma agrária vão se tornando improdutivos, porque só ficam pessoas mais idosas para trabalhar”, observou.

A construção da escola de ensino médio com educação profissionalizante ajuda a resolver o problema em duas frentes: mais jovens permanecerão no campo e terão condições técnicas para melhorar a produção agrícola. “Não queremos impedir ninguém de ir para a cidade, mas os jovens estão indo, porque não têm opção no campo. Com a escola, os estudantes poderão ficar nos sítios e desenvolver projetos nos três eixos: na produção, na agroindústria e na comercialização”, realçou Pereira.

Apoio da ALEMS

Os deputados Zeca do PT e Gleice Jane se comprometeram a ajudar na efetivação do projeto. “Temos cada vez mais uma enorme evasão dos jovens das famílias assentadas para as cidades. Vão trabalhar em qualquer coisa e abandonam os assentamentos. Nós temos que mudar isso”, afirmou o deputado Zeca do PT. O parlamentar afirmou que conversará com o deputado federal Vander Loubet (PT) sobre a possibilidade de disponibilização de R$ 1 milhão em emenda para atender, no próximo ano, a escola agrícola de Corumbá.

Zeca também disse que ajudará nas articulações com o governador Eduardo Riedel (PSDB) para investir na reforma e ampliação do espaço, como também para a viabilização de recursos para pagamento dos professores e demais servidores entre outras despesas. “Com isso, vamos ter uma escola técnica, uma escola da família agrícola de alta qualidade para atender a demanda da juventude do Pantanal”, finalizou.

A deputada Gleice Jane, que é professora, afirmou que acompanha, há tempos, o problema que envolve estudantes do campo. “Como professora em escolas urbanas, sempre recebemos crianças do campo. E isso não é confortável, não é seguro para a criança. Há situações de criança que sai de madrugada de casa e só volta no final da tarde”, contou.

Outra preocupação da deputada é quanto à garantia de formação de qualidade aos jovens para que permaneçam no campo. “E uma das características importantes de Mato Grosso do Sul é a produção agrícola, que é a atividade que assegura alimento para a população. Nós precisamos ter essa atenção de formar pessoas que gostem de estar no campo e gostem de produzir alimentos. E sabemos que é a agricultura familiar que proporciona comida para nossas mesas. É preciso incentivo do Governo para se ter escola no campo. É preciso olhar para o campo, construir políticas para os jovens da agricultura familiar”, disse Gleice Jane.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *