14/06/2024 - Edição 540

Judiciário

Juiz de MS humilha advogado negro por oferecer água a uma testemunha

O magistrado foi denunciado ao Conselho Nacional de Justiça por comportamento 'desrespeitoso e preconceituoso'

Publicado em 12/06/2023 3:42 - Marcelo Hailer (Fórum), Semana On - Edição Semana On

Divulgação Reprodução

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Um vídeo que circula pelas redes sociais tem causado revolta entre os internautas. Trata-se do registro do momento em que o juiz Carlos Alberto Garcete, do Tribunal do Júri do Mato Grosso do Sul, humilha um advogado ao servir água para uma testemunha.

A mulher, que chorava copiosamente durante o depoimento, foi servida com um copo d’água pelo advogado de defesa, Willer Almeida, durante a audiência do processo “Caso Sophia”.

“Retire a água, pois não autorizei que servissem água para eles… O senhor não está aqui para servir água às pessoas, o senhor está aqui como advogado”, disse o magistrado.

O advogado respondeu ao ataque do juiz: “Eu faço o serviço que eu quiser. Se eu vou fazer trabalho de advogado ou trabalho de serviço social não diz respeito ao senhor”, afirmou.

Devido à resposta do advogado, o juiz ordenou aos policiais que retirassem o advogado da audiência e a sessão foi suspensa.

A Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas (Abracrim) apresentou uma reclamação ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra o juiz Carlos Alberto Garcete por humilhado o advogado Willer Souza Alvez.

No documento, a associação afirma que houve “conduta desrespeitosa, humilhante e preconceituosa” em relação aos advogados Willer Souza Alvez de Almeida e Pablo Arthur Buarque Gusmão.

A cena ocorreu em 19 de maio, mas ganhou repercussão nacional após o vídeo do incidente ser divulgado nas redes sociais.

Professor titular da Unisinos (RS) e da Unessa (RJ), o jurista Lenio Streck comentou o episódio nas redes, publicando o vídeo do momento da confusão. “Vamos lá: eu sempre falo contra robôs. Contra ChatGPT etc. Mas eu me rendo. Um robô jamais trataria um advogado assim e tampouco humilharia testemunha ou ré. Esse Brasil… Temos como futuro um passado (e um presente) autoritários e patrimonialistas! E racista. E observem a cena!”, criticou.

À “CNN Brasil”, o advogado Willer Almeida, que é negro, afirmou que foi alvo de racismo. “É preciso lembrar que não há uma hierarquia entre juiz, promotor e advogado. “Todos estão em pé de igualdade. Então, advogado não é subordinado ao juiz. E aí eu não posso dizer que há um racismo explícito, mas aquilo que acontece no Brasil, aquele racismo velado. Por que só o advogado negro, de trança, foi retirado com força policial, enquanto o outro não foi? Por que desrespeitam tanto os advogados negros?”, questionou.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *