28/05/2024 - Edição 540

Campo Grande

Vacina contra dengue acaba em Campo Grande após ampliação de público-alvo

Até o último dia 23 foram notificados 6.822 casos da doença na capital

Publicado em 02/05/2024 10:35 - Semana On

Divulgação PMCG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Lote de vacina contra a dengue acaba em Campo Grande após ampliação do público-alvo. A estratégia foi adotada para evitar o vencimento do imunizante. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), 12.644 pessoas foram imunizadas até a última sexta-feira(26).

A Sesau garantiu que todas essas pessoas vão ser vacinadas com o reforço. A previsão do Ministério da Saúde é de enviar novas remessas do imunizante no mês de maio.

Conforme a secretaria, caso o quantitativo da nova remessa seja maior do que o necessário para a segunda dose, a aplicação da primeira dose pode ser retomada. Mas isso tudo vai depender da recomendação do ministério, que precisa garantir a remessa de d2 para esse público.

Nas últimas semanas, o público-alvo foi ampliado para crianças e adolescentes entre 6 e 16 anos.

Megaoperação contra a Dengue chega à Região do Prosa

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), lançou a 4ª Etapa da Campanha “Meu Bairro Limpo – Todos em Ação contra a Dengue”, na Região do Prosa. Mais de 44 mil imóveis já foram inspecionados nas três etapas anteriores da campanha.

Os servidores da Coordenadoria de Vetores (CCEV) irão percorrer os bairros da Região do Prosa durante os próximos 10 dias para fazer a inspeção de casas e terrenos baldios, além do recolhimento e eliminação de materiais inservíveis, potenciais criadouros do mosquito e orientação dos moradores em relação às medidas de prevenção. São cerca de 300 servidores mobilizados.

“Manter o quintal limpo é essencial, não só para a minha saúde, mas para a de todos ao redor. Todos nós precisamos fazer nossa parte para evitar a dengue”, afirma a dona de casa Marli Cunha, de 62 anos. Após ter enfrentado a dengue, Marli tornou-se ainda mais consciente da importância de manter seu ambiente limpo. Ela destaca o papel crucial que cada cidadão tem na prevenção desta doença. “Não basta apenas a atuação do poder público. É essencial que cada um de nós faça sua parte”, conclui.

Durante a ação, três pontos de coleta de materiais inservíveis serão disponibilizados à população. Nos locais os moradores poderão descartar materiais de grande volume, como móveis inutilizados, carcaça de eletrodomésticos e eletrônicos, pneus e outros objetos que possam acumular água. Não é permitido o descarte de entulhos, restos de materiais de construção e podas de árvores.

Pontos de coleta

Rua Marquês de Herval (Entre as ruas Caldeiras e Guanambi)

Ecoponto Noroeste (Rua Guarulhos, 788 – Jardim Noroeste)

Avenida Waldomiro Coelho Netto (entre as ruas Agrinômia e Ubatuba)

Meu Bairro Limpo

No total, as três etapas da campanha resultaram na inspeção de 44.800 imóveis em toda a área abrangida, com a eliminação de 26.326 depósitos e a erradicação de 1.761 focos do mosquito-da-dengue. Estes números refletem o sucesso e a importância da campanha, que busca não só tratar dos focos existentes mas também prevenir futuros surtos, protegendo assim a saúde pública.

Na Região Anhanduizinho, foram inspecionados 11.732 imóveis, resultando na eliminação de 7.479 depósitos que poderiam servir como criadouros para o mosquito. Além disso, 442 focos foram efetivamente encontrados e eliminados, reduzindo consideravelmente o risco de propagação da doença na área.

Por sua vez, a Região Lagoa apresentou um progresso notável com 13.800 imóveis inspecionados e 9.874 depósitos eliminados, com a descoberta e eliminação de 456 focos do mosquito. Esse esforço demonstra um compromisso robusto na prevenção da dengue na região.

A Região Bandeira, que teve a maior quantidade de inspeções, com 19.268 imóveis visitados, também mostrou números expressivos. Foram eliminados 8.973 depósitos, e os agentes de saúde conseguiram eliminar 863 focos, indicando uma intervenção eficaz contra a proliferação do mosquito na região.

Dados epidemiológicos

Do dia 01 de janeiro a 23 de abril deste ano, foram notificados 6.822 casos de dengue e nenhum óbito em Campo Grande. Até o momento, não houve a notificação de nenhum caso de zika e apenas 11 notificações por chikungunya. Em todo o ano passado, a Capital registrou 17.033 notificações de dengue e seis óbitos provocados pela doença. Foram notificados, de janeiro a dezembro de 2.023, 92 casos de zika e 176 de chikungunya.

A Capital fechou o segundo semestre do ano passado apresentando redução significativa nos casos de dengue, se comparado com o período anterior. O pico da doença foi registrado em abril, com mais de 3 mil casos notificados. A partir de junho, houve redução expressiva com estabilização nos meses seguintes.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *