14/06/2024 - Edição 540

Ágora Digital

Playboy de Belô vai pro brejo

Publicado em 20/04/2018 12:00 - Victor Barone

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A semana foi, digamos, malvada com o senador tucano Aécio Neves (PSDB). As notícias ruins vieram em sequência e, ao que tudo indica, o playboy de Belô vai ser empurrado aos tubarões e as piranhas para mostrar que no Brasil a Justiça é para todos.

Mesadinha

O empresário Joesley Batista afirmou à Procuradoria-Geral da República (PGR) que pagou R$ 50 mil por mês ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), ao longo de dois anos, por meio de uma rádio da qual o senador era sócio. Os pagamentos, de acordo com Joesley, foram solicitados diretamente pelo tucano em um encontro no Rio, no qual Aécio disse que usaria o dinheiro para "custeio mensal de suas despesas", segundo palavras do empresário da JBS. Joesley entregou aos procuradores 16 notas fiscais emitidas entre 2015 e 2017 pela Rádio Arco Íris, afiliada da Jovem Pan em Belo Horizonte. A JBS figura nas notas como a empresa cobrada. Pela soma das notas fiscais, a JBS pagou à rádio da família de Aécio R$ 864 mil.

Réu

Os ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) votaram no último dia 17 por receber a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), acusado de corrupção passiva e obstrução da Justiça, e outros três denunciados. A acusação pelo crime de corrupção passiva foi recebida por unanimidade na turma, composta por cinco ministros. Já a de obstrução da Justiça foi acolhida por maioria, de 4 a 1. Com o resultado do julgamento, Aécio torna-se réu em ação penal no Supremo pela primeira vez, por causa do episódio em que foi gravado, em março do ano passado, pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, da JBS. O valor foi entregue em parcelas a pessoas próximas ao tucano, segundo a acusação. A Polícia Federal chegou a filmar a entrega de dinheiro vivo a um primo dele.

Bobinho

Um dia antes da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a denúncia apresentada contra ele pela Procuradoria Geral da República (PGR) – leia a nota acima – o senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse que foi “ingênuo” ao pedir R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista. Em artigo publicado na Folha de S.Paulo, Aécio afirma que foi vítima de uma “conversa criminosamente gravada” e induzida por Joesley.

Pilatos

O presidente nacional do PSDB, Geraldo Alckmin, lamentou a situação de seu companheiro de partido Aécio Neves (leia as notas acima), mas ressaltou que a lei no país deve ser para todos. O pré-candidato presidencial do tucanato afirmou ter visto o episódio com tristeza e observou que o senador mineiro ainda terá a oportunidade de se defender.

Ele também

O Ministério Público de São Paulo abrirá inquérito para investigar se o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) cometeu improbidade administrativa no caso de suspeita de caixa dois de mais de R$ 10 milhões. O cunhado do tucano Adhemar Cesar Ribeiro e o secretário estadual Marcos Monteiro serão incluídos. Eles foram apontados por delatores da Odebrecht como operadores de recursos não declarados nas campanhas ao governo paulista de 2010 e 2014.

Mal na foto

No ninho, o entendimento é de que Aécio Neves (PSDB-MG) deve abdicar de concorrer às eleições. Dirigentes da sigla dizem que os últimos liquidam as chances de vitória na disputa por um cargo no Senado.

Boquinha

Em depoimento à Polícia Federal, o empresário Gonçalo Torrealba, declarou que João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, atuava como coletor de dinheiro para o presidente Michel Temer (MDB-SP). Torrealba é sócio do Grupo Libra, que atua no porto de Santos. Foi interrogado no âmbito do inquérito que investiga a suspeita de que Temer liderou por duas décadas um esquema de corrupção no setor portuário. O depoimento de Torrealba é mantido sob sigilo.

Rejeitado

Apesar dos esforços do presidente Michel Temer (MDB) para aumentar a popularidade, seu governo é reprovado por 70% dos brasileiros, segundo pesquisa do Datafolha. A gestão é ruim ou péssima para 70% da população. Os percentuais de regular (23%) e ótima ou boa (6%) também se mantiveram estáveis.

Tira delas, dá pra ele

O PSOL descobriu que o Ministério do Planejamento realocou R$ 209 milhões na Secretaria de Comunicação da Presidência. Parte do dinheiro saiu de programas destinados ao combate à violência contra a mulher e à reforma agrária. O partido vai acionar a Procuradoria Geral da República (PGR) e o Tribunal de Contas dfas Uni~são (TCU).

Pediu desculpas

A desembargadora Marília Castro Neves, que afirmou em uma rede social que a vereadora assassinada Marielle Franco (PSOL-RJ) "estava engajada com bandidos", escreveu uma carta a uma professora com síndrome de Down na qual pediu desculpas por seus comentários feitos sobre ela, sobre a parlamentar morta no Rio e sobre o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ). Depois da polêmica mensagem sobre Marielle, outros comentários antigos da desembargadora feitos na internet vieram à tona. Em um deles, Marília questionou o que professores com Down poderiam ensinar. Em uma rede social, a professora Débora Seabra publicou uma carta em resposta à desembargadora. Leia a íntegra da carta da desembargadora Marília Castro Neves.

Bem na foto

Mesmo preso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula das Silva (PT) não só continua a liderar como, em alguns cenários, cresceu em relação a levantamentos anteriores. É o que mostra pesquisa Vox Populi, encomendada pelo PT. Os números divulgados pelo instituto são mais favoráveis ao petista do que os apresentados pelo Datafolha. No levantamento espontâneo, Lula aparece com 39%; Bolsonaro (PSL) vem em segundo, com 9%; Joaquim Barbosa (PSB) e Marina Silva (Rede) têm 2%. Nos dois cenários estimulados, um com o presidente Michel Temer e outro com o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles, Lula desponta com 47% das intenções de voto. Bolsonaro, tem 11% no cenário com Meirelles e 12% na projeção com Temer. O presidente e o ex-ministro da Fazenda não passam a marca de 1%. No Datafolha, Lula soma 31%.

Muito indignado

O ex-presidente Luiz Inácio Lula das Silva (PT) mandou um recado para a militância que segue acampada em frente à Polícia Federal em Curtiba (PR). "Continuo acreditando na Justiça e por isso estou tranquilo, mas indignado como todo inocente fica indignado quando é injustiçado", escreveu. Lula disse que ouviu o que os manifestantes cantaram e que está agradecido pela presença e resistência de todos. Ele afirmou que continua desafiando a Polícia Federal, o Ministério Público, o Moro e a segunda instância a provarem o crime que supostamente cometeu. 

Mais recados

Preso desde o dia 7 em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) enviou, por meio de seus advogados, novo recado aos militantes que estão acampados na cidade em seu apoio. A mensagem foi lida para militantes à tarde por Márcio Macedo, um dos vice-presidentes do PT. O recado diz: “Queridos e queridas companheiras e companheiros, vocês são o meu grito de liberdade todo dia. Se eu não tivesse feito nada na vida, e tivesse construído com vocês essa amizade, já me faria um homem realizado. Por vocês valeu a pena nascer e por vocês valerá a pena morrer."

Pra argentino rir

Dois humoristas do grupo argentino Cejitango fizeram uma curiosa paródia do diálogo em que o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em Curitiba, toma o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula das Silva (PT), a quem condenou à prisão. Na audiência, realizada em 10 de maio de 2017, o petista nega reiteradamente ser dono de um tríplex no Guarujá, litoral paulista que, segundo Moro, foi o instrumento por meio do qual o petista praticou corrupção e lavagem de dinheiro. Ao final do rápido diálogo, um texto em espanhol esclarece: “Não é uma piada. É o interrogatório do juiz Sérgio Moro a Lula da Silva”.

Solidão

Ex-presos da Operação Lava Jato acreditam que em pouco tempo ex-presidente Luiz Inácio Lula das Silva (PT-SP) não suportará a solidão, consequência de seu isolamento em uma sala especial da Superintendência da Polícia Federal do Paraná.

Al Jazeera, Al Qaeda e Alfajores

Parlamentares da base e da oposição protagonizaram uma guerra de versões, durante toda  sobre a entrevista em que a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), diz ao grupo de televisão árabe Al Jazeera  que o ex-presidente Luiz Inácio Lula das Silva (PT) é um “preso político”. Em sua fala (vídeo abaixo), Gleisi critica duramente o Judiciário e outras instituições brasileiras, diz que o petista foi um “grande amigo do mundo árabe” e pede engajamento dos povos estrangeiros em favor da libertação do cacique petista.

Al Fake

Além de confrontos verbais e discursos enfurecidos nos plenários do Senado e da Câmara, as declarações da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) – leia nota acima – renderam protocolos de processo por suposta quebra de decoro parlamentar e até distribuição de conteúdo falso – as famigeradas fake news – nas redes sociais. A versão de que a senadora estaria a insuflar grupos terroristas para defender Lula em território brasileiro, foi levantada pela senadora Ana Amélia (PP-RS), uma das principais críticas do PT no Senado. Em discurso feito na tribuna no início da tarde (vídeo abaixo), a senadora gaúcha chegou a cogitar desrespeito à Lei de Segurança Nacional.

Stalinista não perdoa

Pré-candidata à Presidência da República, a deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila (PCdoB) ironizou a senadora Ana Amélia (PP-RS) pelas críticas feitas à senadora Gleisi Hoffmann (PT) pela gravação de um vídeo para a TV Al Jazeera (leia as duas notas acima). Em mensagem publicada no Facebook, Manuela disse que Ana Amélia confundiu a TV do Catar com o grupo terrorista Al Qaeda, conhecido pelos ataques de 11 de setembro em Nova York e por ter tido como líder o saudita Osama Bin Laden, já morto. “Quando uma senadora cria fake news… só resta comer um Al Fajor mesmo”, brincou a deputada em referência ao famoso doce de origem argentina.

FHC chuta cachorro moribundo

Contrariando o discurso do PT, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou que a prisão do ex-presidente Lula não o caracteriza como um “preso político”. “Ele não está sendo processado pelo que fez politicamente. O PT está dizendo: é um preso político. Não é. É um político preso”, ressaltou FHC. Para o ex-presidente tucano, caso a versão do PT estivesse correta, ele próprio protestaria. “A narrativa do PT é de preso político. Se fosse, eu estaria protestando. É preso por outras razões”, ponderou.

O Fanfarrão

Filho do pré-candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL) é acusado de ter ameaçado, por meio de celular, a jornalista Patrícia de Oliveira Souza Lélis, sua ex-assessora, em julho de 2017. A gracinha gerou denúncia criminal apresentada contra ele pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Caberá agora aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidirem se o deputado responderá como réu ao crime de ameaça, cuja pena vai de um a seis meses de detenção e pagamento de multa. O caso será relatado pelo ministro Luís Roberto Barroso, considerado hoje um dos mais rigorosos da corte. Confira a seguir o bate-boca público.

Racista

A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF) os deputados federais Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) pelos crimes de racismo e ameaça. Se condenados, os Bolsonaro podem cumprir penas entre seis e dez meses de detenção por ameaça e um a três anos de prisão por racismo. A PGR também pede o pagamento de multa estipulada em R$ 400 mil por danos morais coletivos. Pré-candidato do PSL à sucessão de Michel Temer, Jair Bolsonaro é acusado de racismo contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. Em abril do ano passado, durante uma palestra no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, o deputado fluminense usou expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais em pouco mais de uma hora de palestra. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirma na denúncia que a conduta de Bolsonaro é “ilícita, inaceitável e severamente reprovável”, além de desrespeitar os direitos constitucionais dos grupos atingidos e da sociedade como todo.

Políticagem

O pré-candidato a presidente pelo PSL, deputado Jair Bolsonaro (RJ), acusou a Procuradoria Geral da República de fazer política em vez de cumprir sua função constitucional. Em nota à imprensa, Bolsonaro criticou a decisão da procuradora-geral, Raquel Dodge, de denunciá-lo por racismo e em virtude de declarações feitas por ele contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs (leia a nota acima).

Cu da mãe?

Um dos filhos do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSC), ficou bravinho com a procuradora-geral da República Raquel Dodge, que denunciou seu pai no Supremo Tribunal Federal (STF) pela prática do crime de racismo. Sem mencionar o nome de Dodge, o pesonagem explodiu no Twitter. Utilizou palavras de calão rasteiro. ''Racista é o cu da sua mãe, militante esquerdista nojento. Jair Bolsonaro foi forjado no quartel, lugar de gente decente, humilde, trabalhadora e cheio de negão!”, berrou o deputado.

Pesos e medidas

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP) é bom de papo. Mas se em seu tempo houvesse um inquisidor a la Moro, talvez hoje estivesse em cana como o seu colega Luiz Inácio Lula da Silva (PT-SP), preso devido a um triplex no Guarujá do qual nunca usufruiu de fato. FHC, por sua vez, sempre usou um apartamento em Paris, que formalmente pertence a Jovelino Mineiro, seu amigo, genro de Abreu Sodré, este já falecido. Miriam Dutra, que teve um filho atribuído por ela a Fernando Henrique Cardoso, disse que o apartamento era do ex-namorado, assim como outro, no Trump Tower, em Manhattan. Ela sabe disso porque o filho, hoje maior de idade, ficou com o suposto pai nos dois imóveis quando era criança e adolescente. Fernando Henrique Cardoso é um estadista, homem fino, probo, incorruptível. Já o outro é o Luladrão.

Militares e professores

O pagamento de pessoal do Ministério da Defesa supera o do Ministério da Educação, que inclui a folha salarial dos professores universitários. Em 2017, a diferença superou R$ 10 bilhões. E já foi maior. No início dos anos 2000, a diferença passava de R$ 30 bilhões, mostra levantamento feito pela Contas Abertas. O Portal da Transparência informa que as Forças Armadas reúnem 57.435 servidores ativos (ou 17,5%) a mais do que o Ministério da Educação, ainda que, em 2017, a folha de salários do Ministério da Educação tenha sido 35% maior do que do Ministério da Defesa. A explicação para o desembolso total maior na Defesa está no pagamento de aposentadorias e sobretudo de pensões às famílias de militares. Elas somaram, em 2017, mais de R$ 47 bilhões, três vezes mais do que as aposentadorias e pensões pagas a professores das universidades federais e demais servidores da Educação. A reforma da Previdência proposta pelo governo Michel Temer e engavetada em fevereiro não mexia na aposentadoria e pensões pagas a militares e seus familiares. Entre 2001 e 2018, esses benefícios custaram à União mais de R$ 660 bilhões.

Milicos falantes

O general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, afirmou por meio de uma mensagem, que a corrupção, a impunidade e a ideologização dos problemas nacionais são "reais ameaças" à democracia.  "Não podemos ficar indiferentes aos mais de 60 mil homicídios por ano; à banalização da corrupção; à impunidade; à insegurança ligada ao crescimento do crime organizado; e à ideologização dos problemas nacionais. "De acordo com o general, esses são exemplos das "reais ameaças à nossa democracia e contra as quais precisamos nos unir efetivamente, para que não retardem o desenvolvimento e prejudiquem a estabilidade". Villas Bôas pede ainda "equilíbrio, conciliação, respeito, ponderação e muito trabalho". No mesmo texto, ele menciona as eleições de outubro e diz que caberá à população definir "de forma livre, legítima, transparente e incontestável, a vontade nacional". Ai que bom…

Que fofos! Anauê!

O Movimento Ordem e Progresso do Mato Grosso do Sul (MS) movimentou sua equipe de marketing e comunicação para desenvolver o projeto nos 79 municípios da região. “Somos Deus, Pátria e Família, defendemos os mesmos valores morais do Juiz Odilon, nosso apoio para ele”, afirmam. Que lindinhos. Só faltou marcharem com a cruz e berrarem Anauê.

Eu turista, você figurante

Turistas lotam as praias da “Costa do Descobrimento”, em Porto Seguro, na Bahia, sem saber que aldeias são destruídas para a construção de hotéis. As empresas alegam que chegaram antes dos índios. Enquanto isso, uma das principais atrações turísticas na região são justamente as encenações do primeiro contato entre a frota de Cabral e os indígenas, que viviam na região em 1500.

Mudança na Funai

O presidente da Funai, Franklimberg Ribeiro de Freitas, decidiu deixar o cargo. A decisão foi tomada na quinta-feira (19). A saída de Franklimberg acontece após pressão da bancada ruralista para que ele fosse substituído. Os parlamentares alegaram ao presidente Michel Temer (MDB-SP) que ele não contribuía com o setor.

Não sei se fico ou vou

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa deixou a primeira reunião com o comando nacional do PSB – durante a semana que passou – colocando em dúvida a possibilidade de disputar a sucessão presidencial. Após encontro de duas horas, ele afirmou que ainda não se convenceu se realmente quer ser candidato e que sua família é contrária ao seu lançamento ao Palácio do Planalto.

Ratos em Dubai

O presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (MDB-CE), e os senadores Jorge Viana (PT-AC) e Anastasia (PSDB-MG) foram hostilizados por dois brasileiros no aeroporto de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, durante a escala de um voo ao Japão.

Leia outros artigos da coluna: Ágora Digital

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *