29/02/2024 - Edição 525

Viver Bem

Sedentarismo aumenta chance de doenças em idosos

Publicado em 01/10/2015 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Um estudo feito pelo pesquisador Wesley de Paulo Silvério (de Mogi das Cruzes) mostra que o cerebelo – região do sistema nervoso responsável pelo equilíbrio, movimentos e aprendizagem motora – sofre uma atrofia em indivíduos que não praticam atividades físicas regularmente. A pesquisa feita pelo aluno de Biomedicina da Universidade de São Paulo (USP) avaliou imagens obtidas em ressonância magnética de 20 idosos após a morte. Os idosos que praticavam exercícios físicos tinham um volume cerebelar de, em média, 8,39% maior do que os sedentários.

No Dia Internacional do Idoso comemorado na última quinta-feira (1º), o biomédico especialista em imagenologia e doutor em Radiologia, Rafael Emídio da Silva, acredita que a pesquisa pode contribuir para a criação de políticas públicas que incentivem a prática de atividades físicas e, consequentemente, melhore a qualidade de vida dos idosos.

O pesquisador estudou imagens volumétricas de ressonância magnética adquiridas em um intervalo menor do que 24 horas após a morte. Ao todo foram analisados 20 idosos, divididos em dois grupos: fisicamente ativos (sendo cinco homens de 62 anos e cinco mulheres de 60 anos) e sedentários (sendo cinco homens de 66 anos e cinco mulheres de 78 anos). As informações sobre a prática de atividades físicas foram fornecidas por familiares, por meio de um questionário. Uma ressonância magnética foi feita nos corpos e, as imagens dos grupos foram comparadas. O grupo de idosos ativos possuía um volume cerebelar de, em média, 8,39% maior do que o do grupo sedentário. Nas mulheres ativas, a diferença era mais gritante: 13,71%.

A pesquisa também mostrou que o volume encefálico, também era 6,52% maior nos idosos que praticavam atividades físicas em relação aos sedentários.  “Haverá uma nova etapa desta pesquisa que vai analisar a fundo qual função específica do cerebelo é prejudicada pela falta da atividade física, se é a motora, se é a responsável pelo equilíbrio. Mas o que já temos, nos mostra claramente que o sedentarismo prejudica o desenvolvimento dos órgãos e isso  aumenta as chances do idoso ter uma doença degenerativa, como Parkinson e Alzheimer. O trabalho já foi apresentado no Congresso Nacional de Iniciação Científica, e foi considerado o segundo melhor trabalho entre os 3 mil inscritos.

De acordo com o orientador de iniciação científica da USP, professor Rafael Emídio , o próximo passo é divulgar a pesquisa em uma revista científica. “Vamos tentar  concluir essa etapa até o fim do primeiro semestre do ano que vem. Desta forma, podemos ampliar ainda mais a pesquisa, conseguir financiamentos para estudos mais específicos”, explicou o professor. Ainda de acordo com o orientador, a metodologia usada na pesquisa é inédita. “Foi até difícil para o Wesley fundamentar a pesquisa porque não existia nada similar na literatura. O trabalho pode contribuir para a implantação de políticas públicas para idosos, por exemplo”, explicou.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *