22/02/2024 - Edição 525

Mato Grosso do Sul

Suicídio entre jovens indígenas é recorde em MS

Publicado em 01/07/2016 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O estudo “Violência Letal Contra as Crianças e Adolescentes do Brasil” elaborado pelo sociólogo e coordenador do Mapa da Violência, Julio Jacobo Waiselfisz, mostrou que o Mato Grosso do Sul está na liderança entre os suicídios de crianças e adolescentes no Brasil.

O Estado registrou 45 mortes por suicídio de crianças e adolescentes, com idades entre 1 e 19 anos, em 2013. O número é de 5,2% a cada 100 mil habitantes, o que coloca MS em primeiro lugar da estatística nacional. Conforme o estudo, os municípios que aparecem nos primeiros lugares nas listas de mortalidade suicida são locais de amplo assentamento de comunidades indígenas, sendo que entre as dez com maior índice, três são sul mato-grossenses: Amambai, Caarapó e Dourados. 

O suicídio entre a população indígena não era o foco do estudo, porém, os números chamaram atenção, o que levou a reprocessar a informação, desagregando os suicídios segundo raça/cor nos municípios. 

Conforme o estudo, as cidades com maior número de suicídios entre indígenas são Amambai [19], Bela Vista [7], Caarapó [9], Coronel Sapucaia [13], Dourados [36], Japorã [20], Paranhos [15], Ponta Porã [7] e Tacuru [13], onde 100% dos casos de suicídios entre indígenas se deu na faixa etária entre 10 e 19 anos. A situação é considerada uma “pandêmica de suicídios de jovens indígenas”, segundo os pesquisadores. Os números se referem a soma dos anos de 2009 a 2013.

“A marginalização desses jovens tanto em suas próprias comunidades, ao não encontrar nelas um lugar adequado às suas necessidades, quanto nas sociedades envolventes, pela profunda discriminação, forja um sentimento de isolamento social que pode conduzir a reações autodestrutivas do ponto de vista ocidental”, afirma a pesquisa.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *