21/07/2024 - Edição 550

True Colors

Parentalidade neutra

Publicado em 01/03/2018 12:00 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Uma família de Maryland, nos Estados Unidos, tem chamado a atenção da imprensa internacional pelo jeito peculiar de educar os filhos. Os pais esperam que as crianças cresçam vendo homens e mulheres como iguais e nunca enxerguem o gênero como um obstáculo ou desculpa. Callie e Caleb Glorioso-Mays deixam as crianças livres de estereótipos, não determinando as coisas como sendo do universo masculino ou feminino.

O filho deles, Hadden, de cinco anos, é visto frequentemente com arcos nos cabelos e usando saia de tule, enquanto a filha, Adelaide, de um aninho, pode ser vista vestida como um bombeiro e também com as roupas do irmão. Os pais não dividem os brinquedos e eles se divertem com o que quiser. Fora isso, escolhem a roupa sem se preocupar com o gênero.

Callie quer quebrar a ideia de que criar os filhos de maneira neutra é uma forma de ignorar o sexo biológico da criança. “Há um equívoco de que a parentalidade neutra em termos de gênero significa negar ou ocultar o sexo biológico de seu filho. Isso refere-se a construções sociais de masculinidade ou feminilidade, que variam de acordo com a cultura e mudanças ao longo do tempo”, afirma a mãe em entrevista ao portal britânico “The Sun”.

Criação de forma neutra

A parentalidade neutra é uma forma de criar os filhos do mesmo jeito, sem dividir objetos, roupas ou determinar cores. “Houve um tempo em que as meninas que usavam calças eram consideradas indecentes. Isso mudou. Então, quem disse que outros padrões também não devem mudar? Damos a eles a liberdade e o encorajamento para descobrir o que realmente gostam”, enfatiza a americana.

Os pais garantem que optaram por criar os filhos assim porque querem deixar claro a eles que meninos e meninas podem fazer as mesmas coisas. “Desde o momento em que nascem, as pessoas ficam dizendo às crianças que há uma enorme diferença entre homens e mulheres. Nosso objetivo é que nossos filhos cresçam vendo homens e mulheres como iguais e valorizá-los como indivíduos, em vez de julgá-los sobre o quão bem eles se encaixam nas normas sociais”, expõe Callie.

Mesmas oportunidades

O grande problema é que muitas pessoas, inclusive da família, apontam que os americanos estão criando as crianças sem gênero para polemizar e se aparecer, porém os pais deixam claro que este não é o objetivo deles. Os americanos querem apenas que os filhos tenham as mesmas oportunidades e incentivos na vida. “Espero que os meus filhos tenham a liberdade e se tornem inteiros e também que possam estender essa liberdade a todos que eles conheçam também”, finaliza a mãe.

Leia outros artigos da coluna: True Colors

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *