25/04/2024 - Edição 540

Ponte Aérea

Não dá para dialogar com o fundamentalismo religioso

Se tua religião não combina com o século XXI, com democracia e direitos humanos, sinto muito, o problema é você

Publicado em 24/03/2024 10:53 - Raphael Tsavkko Garcia

Divulgação

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Relendo essa coluna do Juliano Spyer nas vésperas da eleição de 22 sobre o eleitor evangélico…

Pra mim isso é fundamental: “Nós sabemos que o Bolsonaro não é crente,” me disse uma evangélica da Assembleia de Deus. “Mas vemos ele nas igrejas defendendo os nossos valores. O Lula, a gente não sabe qual é a religião dele. Ele diz que é católico, mas não vemos ele em igreja.”

Não tem muito como você contemporizar com quem acha que ir à igreja é algo relevante. Com quem tem valores que são pré-iluministas e contrários aos direitos humanos. Nessa altura do campeonato é melhor tentar combater mega igrejas do que tentar ganhar voto de quem não sabe o que é século XXI.

Quantas campanhas de candidatos de esquerda para cargos majoritários incluíram evangélicos em posições de liderança? Possivelmente nenhuma. Quantos desses candidatos e líderes leram e conhecem relativamente bem a Bíblia, o livro que serve de ponto de partida para se dialogar com esse grupo? Evangélicos ou especialistas são chamados para opinar em situações pontuais, e isso é considerado suficiente!

Porque diabos, no Estado Laico, candidato tem que conhecer a bíblia? Se faltam candidatos evangélicos talvez seja porque fundamentalismo não bate com ideais de esquerda? Existem limites claros de diálogo com quem tem concepções pré-iluministas de mundo.

Edir Macedo não tá se engraçando com Maduro? Manda ele pra lá, um problema a menos. A gente tem que aceitar que não, não tem como dialogar com quem é gado de pastor. É preciso achar outros meios.

Se tua religião não combina com o século XXI, com democracia e direitos humanos, sinto muito, o problema é você, é tua religião, e não tem como contemporizar, dialogar, chegar a denominador comum. A esquerda tem que parar com esse papo de “ain, vamos convencer os evangélicos” porque, amigo, não tem como.

PATRULHA

A turma da lacração inventou que se você é, você precisa militar. Se você é gay, precisa militar, se você é negro, precisa militar. Se não militar você não é legítimo, você perde direito de ser. Ser passa pela práxis numa interpretação vagabunda e pueril do marxismo de botequim dessa turma que importou ideologia woke liberal e tenta esgarçar pra fazer caber o velho barbudo. No fim é só patético mesmo.

Drags = homem vestido de mulher. Teatro.

Agora tem que levantar bandeira pra fazer peça se vestindo de mulher?

DITADOR DE ESTIMAÇÃO

E o PT saudando as “eleições” russas onde o Ditador Putin concorria sozinho (não, os aspones que meteram pra fingir que eleição era livre e limpa não conta)? O PT não disfarça nunca a veia autoritária. É ditador? O PT vai lá aplaudir, abraçar, elogiar…

RAPHAEL TSAVKKO GARCIA

É jornalista, editor e Ph.D em Direitos Humanos pela Universidade de Deusto.

Facebook

Linkedin

Twitter

Site

Medium

Leia outros artigos da coluna: Ponte Aérea

Raphael Tsavkko Garcia


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *