13/04/2024 - Edição 540

Re-existir na diferença

Carta a Lula

Zanin e a segurança pública

Publicado em 05/09/2023 11:20 - Emerson Elias Merhy

Divulgação Valter Campanato - Abr

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Sr. Presidente, reconheço que o senhor é um estadista na maior parte das vezes. Sua perspicácia em se relacionar com as forças opositoras da política oficial; sua capacidade de negociar novos sentidos para a geopolítica mundial; sua inteligência em saber localizar no campo das políticas públicas o campo estratégico da economia e dar coerência nas suas ações para fazer deste país um país mais justo na distribuição de sua riqueza; e sua sabedoria para incorporar novas agendas para mim são inquestionáveis e me sinto bem representado pelo senhor.

Mas, sua dificuldade em caminhar pelo campo judiciário me deixa muito inquieto, pois aí fico intrigado porque não consegue ser tão estratégico como nos outros campos, por que sua postura de um grande estadista se esfumaça.

Por isso, chego bem pertinho do seu ouvido e quase como um assobio falo: ‘Zaniiiiiiiiiimmmmmmmm’. Só para ver se o senhor sabe de quem estou falando, pois minha forte impressão é que não conhece este sujeito cujo nome sussurro em seus ouvidos. O pior é que não conhece, mas com toda convicção pessoal o indicou para um lugar muito chave na República brasileira.

Como posso entender isso? Talvez pela chave da ‘pessoalização’ do cargo de Presidente da República, neste caso.

Disso não podemos acusar seu antecessor, que ao contrário do que eu gostaria de acreditar, fez o mais amplo exercício pessoal deste cargo, mas com um olhar estadista, pelo menos no que se refere às suas apostas no judiciário e segurança pública, tendo a seu favor o fato de que seus dois indicados para o STF vêm exercendo de forma exemplar, de acordo com seus desejos, este lugar também chave para a nossa República.

O Lula, que eu considero um estadista, nestes requisitos me parece o oposto, indica alguém que não conhece e, depois, fica surpreso com o fato. Continuo imaginando que a ‘pessoalização’ do seu cargo público é uma visão comum sobre esta República que partilha com seu antecessor, por mais que isso doa no meu peito e no de milhões de brasileirxs.

Sabe Lula, isso está difícil de elaborar, assim como está difícil elaborar que o Zaniiiiiiiimmmmmmmm não tem a mínima noção do que está fazendo ali, além de não ter visão prospectiva suficiente para saber quanta gente ele está condenando ao extermínio, prática bem comum do seu antecessor, que o fez (e faz) de modo bem explícito e intencional.

Senhor Lula, é estarrecedor imaginar que o Zaniiiiiiimmmmmmmmmmm não imagina que aprovar que cada município possa ter uma milícia para chamar de sua, como polícia de estado, pode implicar na prisão, perseguição e morte de milhares de cidadãs e cidadãos deste país. É de dar inveja ao período dos tradicionais coronéis e das ditaduras.

Aliás, sua decisão, equiparando as guardas municipais ao bojo geral da segurança pública, seguindo o voto do Alexandre Moraes, agregou um além em competências que o próprio Alexandre não havia ampliado: a guarda municipal poderá atuar no campo da própria ‘guerra às drogas’, e com isso aumentar a violência contra jovens negros.

Aposto que ele não sabe – e não sabia – que estava decidindo algo tão sério, penso que imaginava que estava brincando de legislador jurídico, seguindo uma racionalidade que não existe, que a justiça é justa e portanto isenta de ideologia e função social.

Infelizmente, senhor Presidente, suas decisões neste campo estão sendo muito comprometedoras e muitos pagarão com a vida por esta sua visão personalista do exercício do cargo de Presidente. O senhor foi alertado por vários atores sociais sobre a seriedade e as dúvidas da indicação de Zaniiiiiiimmmmmmmmmmm, e não levou isso em consideração. Agora é tarde, pois nos condenou a um possível futuro pior, que poderá estar engravidado de mais racismo e genocídio, tudo sob a legalidade da ação do estado, ali no miúdo de cada rincão deste país.

Espero que nas próximas escolhas o senhor leve em consideração algo bem mais fundamental: que x sugeridx seja bem mais transparente em suas posições sobre as questões sociais que afligem este país do que foi o Sr. Zaniiiiiiiimmmmmmmm, e com isso balancear uma decisão tão equivocada e pessoal.

Leia outros artigos da coluna: Re-existir na diferença

Emerson Merhy, Túlio Franco, Ricardo Moebus e Cléo Lima


Voltar


Comente sobre essa publicação...

3 respostas para “Carta a Lula”

  1. Mara disse:

    Espero que o Lula leia essa carta.

  2. Mara disse:

    Qie essa carta seja lida pelo destinatário.

  3. Sacadura disse:

    Fica a esperança para a próxima escolha . Uma nova escolha equivocada será ainda mais fatal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *