24/04/2024 - Edição 540

Viver Bem

Anabolizantes dão efeitos colaterais e uso indiscriminado traz risco à saúde

Publicado em 22/01/2014 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O uso de anabolizantes, apesar de ser uma alternativa fácil e rápida de aumentar a musculatura, oferece riscos à saúde. Para o endocrinologista Alfredo Halpern e a nutricionista Jéssica Borrelli, o uso indiscriminado desses produtos, sem orientação médica, pode causar efeitos colaterais, como risco maior de problemas no coração, aumento do colesterol ruim, problemas no fígado, infarto, derrame e até mesmo câncer.

Os especialistas alertam que essas substâncias não devem ser usadas e não podem ser receitadas nas academias, já que é possível ganhar massa muscular apenas com exercício físico e alimentação.

Em relação ao câncer, o excesso de hormônios dos anabolizantes, usados de maneira inadequada, estimula o crescimento de células – se uma delas tem uma tendência a se transformar em um câncer no futuro ou se já tem a doença, o anabolizante pode promover seu desenvolvimento com mais rapidez. Ou seja, ele pode causar um tumor ou acelerar um que já existia, com o risco até mesmo de metástase.

Fora a desregulação da menstruação, nas mulheres, pode ocorrer também de o pescoço ficar mais largo, o queixo mais quadrado, ela ficar mais agressiva e até mesmo ter calvície. Nos homens, a calvície e agressividade também acontecem, com o risco ainda de aumento das mamas e atrofia dos testículos, como explicou o endocrinologista Alfredo Halpern.

Isso acontece porque os anabolizantes são hormônios sintéticos, normalmente derivados da testosterona, que estimulam as células musculares a aumentarem a absorção de tudo que faz o músculo crescer, especialmente as proteínas. Além de aumentarem a musculatura, os produtos também estimulam o crescimento de tecidos, como ossos, peles e órgãos, mas isso acontece com maior intensidade na fase de crescimento. Por isso, é ainda mais perigoso o uso indiscriminado de anabolizantes na adolescência, porque os órgãos podem ficar maiores do que deveriam.

Além da testosterona, existe também o GH, outro hormônio também considerado anabolizante e bem procurado por frequentadores de academia. Esses dois hormônios são produzidos pelo corpo naturalmente, mas muitas pessoas tomam para ficarem mais fortes e diminuir também a massa gorda do organismo.

O excesso de hormônios dos anabolizantes pode causar um tumor ou acelerar um que já existia, com o risco até mesmo de metástase.

Existem casos, no entanto, de pacientes que têm falta de produção natural desses hormônios, por causas genéticas ou adquiridas, e os anabolizantes são prescritos pelo médico. A diferença, porém, é que quando o médico indica os remédios, eles são dados em doses muito menores do que aqueles usados por frequentadores de academia. Os pacientes passam por avaliações clínicas para descartar qualquer incompatibilidade com o anabolizante. Pessoas saudáveis nunca devem e não precisam utilizar esses hormônios, justamente por causa dos riscos que eles trazem.

Por outro lado, existe ainda o suplemento alimentar, também muito conhecido nas academias. A maioria toma aqueles à base de proteína, essencial para o crescimento dos músculos – o mais conhecido é feito com proteína de soro de leite, que é rapidamente absorvida pelo corpo e facilita o desenvolvimento muscular logo depois do treino de musculação. O problema é que muita gente confunde o suplemento com anabolizante – enquanto o suplemento é um alimento indicado por nutricionistas para ajudar na recuperação muscular, o anabolizante é uma droga derivada de hormônios.

Segundo a nutricionista Jéssica Borrelli, existem vários tipos de suplementos e não adianta usá-los sem necessidade porque o corpo elimina o excesso. Um dos principais erros de quem toma é usar logo que começa a atividade física – como a proteína serve para repor o que falta, o corpo só vai sentir uma necessidade maior depois de uma intensidade e tempo maiores de treino.

Outro erro é misturar proteínas isoladas com leite – o leite, quando misturado, retarda a absorção. Toma uma dose maior do que a necessária também é errado – muita gente faz isso achando que a absorção será maior, mas de acordo com a nutricionista, a absorção máxima pelo corpo é de 20 a 25 gramas por dose.

Para não cometer esses erros, o ideal antes de optar pela suplementação é se consultar com um nutricionista, que vai avaliar o cardápio, o tempo e a intensidade dos treinos. Como o excesso de qualquer proteína pode sobrecarregar os rins, é fundamental avaliar a necessidade antes de usar essa alternativa.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *