29/02/2024 - Edição 525

Saúde

Zema é o segundo governador bolsonarista a ameaçar saúde de crianças com atitude negacionista sobre vacinas

Seguindo exemplo Governador de Santa Catarina, o governador de Minas Gerais disse que vai permitir matrícula nas escolas estaduais de crianças que não apresentarem prova de vacinação

Publicado em 05/02/2024 10:48 - ICL Notícias

Divulgação Secom

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), disse que alunos da rede estadual poderão ter acesso às escolas mesmo se não tiverem sido vacinados. Ele fez a declaração em um vídeo gravado ao lado do senador Cleitinho (Republicanos) e do deputado federal Nikolas Ferreira (PL) — divulgado em perfis nas redes sociais dos três. Zema não explica se a liberação da obrigatoriedade da comprovação de imunização se refere somente à vacina contra a Covid-19 ou às demais, que constam no calendário obrigatório do Ministério da Saúde.

“Aqui em Minas, todo o aluno, independente de ter ou não vacinado (sic) terá acesso às escolas”, diz o governador.

Depois do gigantesco sofrimento que o negacionismo do governo de Jair Bolsonaro impôs aos brasileiros em meio à pandemia de Covid-19 — que resultou no atraso na compra de vacinas, campanha para desacreditar os imunizantes, defesa de remédios ineficazes e militância contra as medidas de isolamento social —, os políticos anti-ciência voltam a atacar. A decisão de Zema acontece um dia após o governador de Santa Catarina, Jorginho Mello (PL), anunciar que faria o mesmo.

Mello foi à rede social X (antigo Twitter) na sexta (2) afirmar que escolas do estado não vão recusar matrícula de alunos que não estejam vacinados.

“Aqui, em Santa Catarina, a vacina não é obrigatória, Fica na consciência de cada catarinense a exercer o seu direito de cidadão e resolver sobre isso. Revoguei, ano passado, um decreto que existia no governo anterior que obrigava os professores a se vacinar. Revoguei, dando autonomia e liberdade aos professores”, disse Mello.

O movimento parece estar coordenado, já que, antes, seis prefeitos do estado também adotaram o discurso negacionista.

O vereador do PSOL, Leonel Camasão, denunciou no X que a “onda” negacionista começou com o prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt (Podemos), que disse: “Nós estamos assinando um decreto para dar a opção aos pais de vacinar ou não seus filhos”.

Também segundo Camasão, a mesma falácia foi difundida pelos prefeitos Adriano Silva (Novo/ Joinville), Fabrício Oliveira (PL/ Balneário Camboriú), André Vechi (DC/ Brusque), José Jair Franzner (MDB/ Jaraguá do Sul) e Clésio Salvaro (PSD/ Criciúma), que tomaram medidas semelhantes, deixando de exigir comprovante de vacinação para matrícula escolar.

O que diz a lei

O Artigo 132 do Código Penal diz que quem “expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente” está suscetível a pena de prisão de até 1 ano. Além disso, o Artigo 249 do Estatuto da Criança e do Adolescente prevê que descumprir, com ou sem intenção o poder de tutela ou guarda, também resulta em sanção de multa de três a vinte salários.

Camasão publicou que as medidas são sabidamente ilegais e têm objetivo puramente eleitoreiro — já que se aproxima o pleito municipal de 2024. No ano passado, o Ministério da Saúde tornou a vacinação contra Covid obrigatória para crianças.

A vacina também é requisito para ser beneficiário de programas federais como o Bolsa Família.

O ex-ministro da Saúde José Gomes Temporão afirmou que, “além de postura irresponsável, (não vacinar crianças) trata-se de crime contra a saúde pública, a segurança e a vida de nossas crianças e adolescentes”.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *