29/02/2024 - Edição 525

Pop-up

samba

Publicado em 13/01/2017 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Segue abaixo o enredo da Imperatriz Leopoldinense:

 

Brilhou… a coroa na luz do luar!

nos troncos a eternidade… a reza e a magia do pajé!

na aldeia com flautas e maracás

Kuarup é festa, louvor em rituais

na floresta… harmonia, a vida a brotar

sinfonia de cores e cantos no ar

o paraíso fez aqui o seu lugar

jardim sagrado o caraíba descobriu

sangra o coração do meu Brasil

o belo monstro rouba as terras dos seus filhos

devora as matas e seca os rios

tanta riqueza que a cobiça destruiu

Sou o filho esquecido do mundo

minha cor é vermelha de dor

o meu canto é bravo e forte

mas é hino de paz e amor

Sou guerreiro imortal derradeiro

deste chão o senhor verdadeiro

semente eu sou a primeira

da pura alma brasileira

Jamais se curvar, lutar e aprender

escuta menino, Raoni ensinou

liberdade é o nosso destino

memória sagrada, razão de viver

“andar aonde ninguém andou”

“chegar aonde ninguém chegou”

lembrar a coragem e o amor dos irmãos

e outros heróis guardiões

aventuras de fé e paixão

o sonho de integrar uma nação

kararaô… kararaô… o índio luta pela sua terra

da Imperatriz vem o seu grito de guerra!

Salve o verde do Xingu… a esperança

a semente do amanhã… herança

o clamor da natureza

a nossa voz vai ecoar… preservar!


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *