24/04/2024 - Edição 540

Palavra do Editor

O voto nulo

Publicado em 15/07/2016 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A democracia representativa nunca foi e não é a única forma de organização social e, ainda que tenha se estabelecido como o peixe menos podre entre os sistemas políticos do século XX, está longe de atender com perfeição as demandas e necessidades das sociedades modernas. Ora, sendo assim, nada mais natural que algumas pessoas enxerguem em outras formas de organização social opções mais interessantes.

O voto nulo pode expressar uma destas opções. Na história, ele já foi uma bandeira de luta. Era uma ideia básica dos anarquistas, um dos movimentos da esquerda, provenientes do século 19, que tiveram grande influência na luta dos trabalhadores no começo do século 20. Para eles, votar nulo nas eleições da democracia burguesa era a condição para manter a própria liberdade e autonomia, se recusando a entregá-las nas mãos de líderes ou iluminados.

Há mais idiotismo político no voto inconsciente, aquele oferecido sem base política, em troca de tapinhas nas costas ou uma cesta básica do que no voto nulo consciente.

Anarquistas como o filósofo francês Pierre-Josef Proudhon não viam grande diferença entre reis tiranos que oprimiam seus súditos e presidentes eleitos pela maioria. “Não mais partidos, não mais autoridade, liberdade absoluta do homem e do cidadão”, pregava Proudhon. O ideal dos anarquistas era uma sociedade organizada pelas próprias pessoas, sem autoridades e sem líderes.

Desde a Primavera Árabe, as diversas “rebeliões” populares que sacudiram o planeta, passando pelos “indignados” espanhóis e desembocando nas manifestações que começaram no Brasil em 2013 – e que se estendem até hoje em proporções menores – são demonstrações de que o atual sistema político e econômico – e todas as suas variantes de esquerda ou direita – está sendo questionado em seu cerne.

Movimentos que englobam em suas reivindicações mais participação popular e democracia direta têm, intrinsecamente, relações com raízes anárquicas e, por tabela, com o conceito de voto nulo.

Há mais idiotismo político no voto inconsciente, aquele oferecido sem base política, em troca de um tapinha nas costas ou uma cesta básica, do que no voto nulo consciente. Votar nulo é um direito e, acima de tudo, uma opção política tão válida quanto qualquer outra.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *