21/02/2024 - Edição 525

Mato Grosso do Sul

No PDT, Odilon pode perder votos da direita

Publicado em 06/11/2017 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O juiz federal aposentado Odilon de Oliveira, 68, é a aposta do PDT para 2018 em Mato Grosso do Sul. Com o discurso de combate à criminalidade e à corrupção, ele pretende abocanhar votos entre uma fatia do eleitorado para a qual “bandido bom é bandido morto” e que quer ver discursos de centro-esquerda bem ao longe.

Em vídeos institucionais do partido, o ex-magistrado enfatiza o trabalho de mais de 30 anos combatendo a corrupção e o crime organizado. “Agora a convite do PDT vou enfrentar outro desafio. Filio-me ao partido e vou continuar a luta pela moralização, a ética e o desenvolvimento de nosso Estado. Vem comigo”, convida. 

A escolha do PDT pode não ter sido estrategicamente adequada. O partido, fundado por Leonel Brizola em 1979, tem se mantido a esquerda do espectro político e se coaduna com discursos mais ligados aos direitos humanos do que as estratégias de viés mais truculento no que se refere ao enfrentamento à criminalidade, por exemplo.

Nas redes sociais, aquela fatia do eleitorado que Odilon imagina atingir com o discurso de moralidade ética e enfrentamento ao crime tem se manifestado, em parte, de forma bastante cautelosa à parceria entre o ex-juiz e o PDT. Postagens de reportagens sobre o tema no Facebook tem revelado reações fortes. “Não indo pro PDT, PC do B e PT, provavelmente terá meu voto”, diz o douradense Julio Bertini. “Sai do PDT que ainda dá tempo”, sugere Rubens Brites, de Campo Grande. Alex Chalita, também de Campo Grande, dá um conselho a Odilon: “Larga mão do PDT… se largar tem meu voto”. “Pois é, lamentavelmente errou em tudo”, diz Julio Eduardo Cheda. O engenheiro José Passarelli vai pela mesma linha: “Pelo passado que tem, tomou uma atitude no mínimo incoerente”.

Ruy Sant'Anna Sant'Anna, também da capital, achou estranha a filiação ao PDT: “Estranhíssima a estreia com a paparicada presença do presidente do PDT, o Lupi, que foi tirado do governo Dilma pela janela”. “Perdeu meu voto e da minha família pela escolha do partido. PDT, falsos moralistas”, dispara a bióloga Priscila de Freitas. Já o autônomo Rui Martins acha que “o melhor partido pro Odilon seria o Patriota com Bolsonaro”, e encontra apoio de Fabrizio Trindade Coene, membro do Movimento Brasil Livre (MBL) em Campo Grande: “Disse tudo. Patriota. Se aliar com um povo com o passado cheio de bandidagem é jogar sua biografia na lama”.

Da mesma forma que encontra restrições em parte do eleitorado de direita por ter optado pelo PDT, um partido de centro-esquerda por tradição, Odilon de Oliveira também terá dificuldades de atrair o voto da esquerda, já que incorpora, em Mato Grosso do Sul, a imagem do “estado policialesco” que tem sido alvo de duras críticas por parte de entidades ligadas aos direitos humanos.

A pré-candidatura de Odilon ao governo do Estado será lançada no próximo dia 11, durante ato em Campo Grande, que reunirá o presidente nacional do PDT, Carlos Luppi, e o ex-ministro Ciro Gomes.

O presidente do partido no Estado, deputado Dagoberto Nogueira, afirma que vai buscar alianças para compor a chapa para o ano que vem. O partido também vai lançar candidato ao Senado. "Não serei eu, não quero. Até porque acho que tem de abrir espaço para outros (partidos) que vamos fazer aliança".


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *