13/04/2024 - Edição 540

True Colors

Vem aí a XVI Parada LGBT de Campo Grande

Publicado em 06/11/2015 12:00 - Guilherme Cavalcante

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Parada LGBT é um momento em que gays, lésbicas, travestis, bissexuais e quaisquer outros membros da comunidade saem as ruas para celebrar o orgulho LGBT e também para reivindicar o direito da igualdade na diversidade. É um ato cívico não normativo, que costuma ser reduzido pelos segmentos opressores a uma 'indecência a céu aberto'.

Talvez seja isso mesmo, se levarmos em conta que a moral é um conceito criado pela normatividade que buscamos combater. Portanto, nada melhor que alimentar as paradas, cada vez mais, com nossas presenças, palavras de ordem e, principalmente, com a expressão de nossas identidades (e pinta, plumas e paetês, né?).

Em Campo Grande, a próxima edição da Parada LGBT, que alcança a 16ª edição, ocorre no próximo sábado (14) e além de atividades sociais, também promove o 'show da diversidade'. Claro, tem a parte mais marcante, para a qual todos são convidados, que é a caminhada (que tem como roteiro o percurso pela 14 de Julho, Cândido Mariano, 13 de Maio e Barão do Rio Branco). É uma oportunidade ótima de exercer civilidade e de gritar pela igualdade que respeita as diferenças.

Confira a programação

8h às 14h – Atividades Sociais (Praça Ary Coelho)
14h – Caminhada
18h – Show da Diversidade (Praça do Rádio Clube)
23h – Festa oficial (Boate Feat Club)

 

Campo Grande tem primeira travesti do Brasil em cargo do executivo

A travesti e ativista dos direitos LGBT, Cris Stefanny, foi designada coordenadora da recém-criada Coordenadoria de Políticas Públicas LGBT. Como metas, a ativista destaca a criação de ambulatórios para hormonoterapia e atendimento ambulatorial à pessoas transgênero, além de reivindicar a utilização de nome social ao segmento. Além disso, Cris também pretender criar o Conselho Municipal LGBT e desenvolver políticas para a saúde voltadas à comunidade.

Ela, que também preside a Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) e a ATMS (Associação de Travestis e Transexuais de Mato Grosso do Sul), é a primeira travesti do Brasil a ser nomeada a um cargo no poder executivo municipal.

Leia outros artigos da coluna: True Colors

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *