28/02/2024 - Edição 525

Campo Grande

Agetran multará celular ao volante a partir do dia 20

Publicado em 17/06/2016 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Campanha educativa realizada pela Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) nesta semana orientou os motoristas campo-grandenses quanto aos perigos do uso do celular no trânsito. Nesse primeiro momento, a abordagem foi educativa e, a partir do dia 20 junho, os agentes de trânsito irão autuar os infratores.

A iniciativa se deve à ocorrência de alto índice de infrações desse tipo na Capital. Os locais monitorados são os corredores de tráfego que fazem deslocamento no sentido bairro-centro. Até quarta-feira (15), a constatação é de que 24% dos motoristas que passaram nas vias no momento da blitz educativa usavam o celular, índice considerado alto.

De acordo com levantamento da Agetran, só neste ano foram multados 78.000 condutores por diversas infrações, sendo que 3.200 referentes a uso de celular no trânsito e 1.400 a não uso de cinto de segurança. No ano passado, levantamento da Agetran revela que de janeiro a dezembro, 294.000 multas aplicadas por várias infrações, destas 15 mil (5%) são referentes a celular no trânsito e 9 mil por falta de uso de cinto de segurança.

Celular e volante

Além de atrapalhar o fluxo semafórico e pôr em risco quem transita pela via, a fração de segundos que o condutor perde ao digitar ou atender uma ligação no celular pode causar graves acidentes. Estudo do Departamento de Trânsito dos Estados Unidos (NHTSA) revela que o condutor que faz uso de dispositivos móveis enquanto dirige tem aumentada em 400% a probabilidade de se envolver em acidentes.

Os estudam mostram que digitando texto ao volante as chances de acidente ampliam 23 vezes e falar enquanto dirige, o perigo de um desastre acontecer aumenta em seis vezes. O risco é muito maior do que o causado pela embriaguez ao conduzir. Ao usar o aparelho, o condutor fica desatento ao que está acontecendo a sua volta, perdendo a capacidade de visão de 360 graus possibilitada pelos retrovisores e vidros dianteiros, já que seu interesse fica direcionado ao aparelho.

De acordo com dados do seguro DPVAT, pago em caso de morte ou invalidez, são registrados no Brasil cerca de 1,3 milhão de acidentes por ano relacionados ao uso do celular. Os dados também mostram que 80% dos motoristas admitem que utilizam o aparelho ou outras tecnologias que geram distração enquanto dirigem.

O diretor-presidente da Agetran, Elidio Pinheiro destaca que na primeira fase da operação da campanha educativa em Campo Grande, além do uso de aparelhos celulares durante a condução de veículos, foi observado um alto índice da falta de uso do cinto de segurança. O uso do item é obrigatório e indispensável, já que ele pode evitar, ou ao menos minimizar, ferimentos de acidentes graves como trauma craniano e lesão da medula, entre outros.

O diretor salienta que dados da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego apontam que com o cinto de segurança, a chance de uma dessas lesões em um acidente é de 45%. Se a pessoa estiver sem o cinto, o índice sobe para 75%.  “A prática da direção defensiva por parte dos condutores e o respeito e a consciência de todos os que utilizam as vias públicas farão com que o trânsito seja mais pacífico e os acidentes diminuam”, completou Elidio.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *