25/07/2024 - Edição 550

Viver Bem

Aparelhos falsos trazem riscos à saúde

Publicado em 24/02/2014 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Aparelhos dentários falsos viraram uma moda perigosa entre os adolescentes. Com elásticos coloridos e trançados, são chamados de "diferenciados" e vendidos por camelôs nas ruas do centro de São Paulo e também por meio das redes sociais.

Os dentistas alertam que o conjunto de peças coladas e unidas por um elástico ou fio provoca uma movimentação nos dentes. Isso pode causar, entre outras coisas, retração na gengiva e perda óssea e dos próprios dentes.

Nos últimos meses, o Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (Crosp) iniciou uma cruzada para coibir o comércio ilegal, com várias blitze e apreensões de material falso e também vendido em lojas autorizadas.

Jovens

Em geral, quem instala os aparelhos são jovens sem nenhuma formação odontológica, que se autopromovem pelas redes sociais. Cobram em média R$ 120 para colocar e R$ 50 pela manutenção.

"Muito trampo hoje graças a Deus. Já já indo por aparelhos e fazer manutenção [sic]", escreveu Phelipe, 18, em uma rede social. Acusado de exercício ilegal do profissão, ele está foragido desde o ano passado.

Segundo a polícia, ele atendia cerca de 50 pessoas em uma casa alugada em Diadema (SP). Mas não é o único. Ontem, a reportagem encontrou pelo menos dez páginas na internet anunciando colocação e manutenção de aparelhos "diferenciados".

Problemas

Os dentistas enumeram vários problemas que essa moda pode trazer. "Há uma força no local que provoca uma movimentação dos dentes. Leva para posições erradas, causa perda óssea, reabsorção da raiz e até a perda do dente", diz o presidente do Crosp, Claudio Yukio Miyake.

A ortodontista Nerli Juliano diz que a colocação errada das peças metálicas pode romper o nervo e fazer com que o dente saia do osso. Ela conta que, por conta da moda, tem atendido adolescentes que relutam em tirar o aparelho 'verdadeiro' da boca mesmo após o tratamento. "Uma menina não queria tirar alegando que o namorado gosta de meninas de aparelhos. É inacreditável."

O periodontista Helio Sampaio Filho diz ainda que o uso de cola extraforte pode ter efeito tóxico para mucosa da boca, levando a lesões.

Ele lembra que, sem orientação profissional, a higienização da boca pode ser negligenciada, o que provoca gengivites. "Ninguém sabe a origem desses materiais. Os jovens não têm ideia do perigo que mora em suas bocas."


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *