18/07/2024 - Edição 550

Poder

PSB inicia articulações e Marina pode ser candidata à presidência

Publicado em 15/08/2014 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Depois de ter recebido a visita de uma comitiva do PSB liderada pelo presidente da legenda, Roberto Amaral, a ex-senadora Marina Silva se reuniu com seus principais aliados políticos e membros da Rede Sustentabilidade na noite desta sexta-feira (15). Participaram da reunião em São Paulo, Neca Setúbal, João Paulo Capobianco, Basileu Margarido, Pedro Ivo Batista e o economista Eduardo Gianetti da Fonseca.

Marina deu seu aval ao partido para que inicie consulta aos principais dirigentes da legenda sobre a possibilidade de que ela assuma a candidatura à Presidência da República.

O presidente nacional do PSB, Roberto Amaral, disse a Marina que o partido irá iniciar consulta aos governadores, congressistas e principais prefeitos da legenda sobre o rumo a ser tomado após a morte de Campos.

De acordo com o cronograma detalhado por Amaral, o resultado da consulta será levado para a executiva do partido, que tem reunião marcada para quarta-feira (20), em Brasília, para definir a candidatura.

Apesar de haver maioria no PSB pela escolha de Marina, há setores que resistem a seu nome. Entre outros pontos, há insatisfação pelo fato de ela ser recém-filiada ao PSB e ter deixado sempre claro que pretende deixar a legenda assim que conseguir colocar de pé o seu partido, a Rede Sustentabilidade.

Candidata à Presidência em 2010, quando ficou em terceiro lugar, Marina tentou montar a Rede Sustentabilidade para disputar novamente o Planalto em outubro, mas não conseguiu fazer isso a tempo. Ela então se aliou a Campos em outubro de 2013 e se filiou ao PSB. Neste ano, foi escolhida como a vice na chapa ao Planalto.

Vice

O comando do PSB descartou a hipótese de Renata Campos concorrer à vice na chapa do partido encabeçada por Marina Silva. A viúva do ex-governador Eduardo Campos está legalmente impedida de participar da corrida presidencial. Funcionária do TCE de Pernambuco, ela teria que pedir licença caso quisesse integrar a chapa, o que não aconteceu.

O PSB também descartou a possibilidade de algum nome de outro partido vir a compor a chapa. Nas apostas, cresce a chance de ser o deputado federal Beto Albuquerque (RS), apesar de recentes desavenças. Há também quem defenda o nome do deputado mineiro Júlio Delgado, para neutralizar a simpatia de correligionários mineiros pelo tucano Aécio Neves.

A tragédia

Veja o que se sabe e o que ainda é mistério no acidente que matou Eduardo Campos e mais seis pessoas em Santos, no litoral paulista.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *