21/02/2024 - Edição 525

Mato Grosso do Sul

Campanha Nacional de Cirurgias Pediátricas está entre ações da Caravana da Saúde

Publicado em 06/05/2016 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Realizado há 10 anos pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Pediátrica e em sua 3ª edição em Mato Grosso do Sul, o mutirão de cirurgias pediátricas este ano faz parte das ações da Caravana da Saúde de Campo Grande, uma ação do Governo do Estado. Iniciado na manhã desta sexta (6), no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (HRMS), o mutirão tem como objetivo realizar procedimentos simples e desafogar as filas de pacientes do SUS. O evento segue até sábado (7) e atenderá um total de 40 crianças, que realizarão cirurgias de hérnia, fimose e criptorquidia.

O mutirão é realizado por uma equipe de profissionais voluntários, que além de aumentarem os recursos humanos também tem ampliados os horários para uso dos centros cirúrgicos. A meta da ação é reduzir em 20% a fila de espera, que atualmente em Mato Grosso do Sul conta com 190 crianças.

Segundo a cirurgiã-pediátrica Helena Chaves, uma das voluntárias do mutirão, este tipo de ação é fundamental. “O mutirão vem para aliviar a fila e conseguir resolver os problemas dessas crianças que vão desde lactentes até pré-adolescentes de 11 anos. No nosso dia-dia a equipe é restrita, o horário também, além de atendermos demanda do estado inteiro, o que torna zerar a fila um desafio”, explicou.

Para a vice-governadora do Estado Rose Modesto, que visitou mães e filhos no HRMS na manhã de hoje, a parceria do Governo através da Caravana com a Sociedade de Pediatria não pode parar. “A demanda reprimida deixa as famílias numa situação de preocupação e risco, e essa parceria mostra a esperança e que a sociedade unida pode fazer a diferença, e é esse o espírito da Caravana da Saúde”. Ainda segundo a vice-governadora o propósito é dar continuidade a ação e zerar a fila de cirurgias pediátricas até o mês de novembro deste ano.

Fé, alívio e sede

Ver o mutirão como uma ação social desperta esperança para quem não o vive, mas para quem o recebe, desperta sentimentos confusos. “Eu vim de coração aberto, mas ele está apertado porque estou apreensiva, mas também muito aliviada”, contou aos risos Vera Lúcia Morais Souza, mãe da Vitória Lúcia de Morais Souza, de 1 ano, que passava pela cirurgia de hérnia .

Para Gabriela Ximenez, mãe Gustavo Henrique de 2 anos, que operou da fimose, a fé foi maior que o medo. “Eu tive fé em Deus de que tudo iria dar certo e confiei na equipe. Eu tenho dois filhos, mas essa é a primeira vez que passo por isso, então chorei um pouco na hora da anestesia, mas agora estou tranquila”.

Se para as mães os sentimentos se misturam, para algumas as crianças nem parecia existir. Quando questionado se sabia o que ia fazer, Vitor Gabriel de 5 anos, respondeu que não  e continuou brincando e dizendo que estava com muita sede. “Faz mais de 10 horas que ele está em jejum e ele está com muita sede, eu fico com dó mas só de saber que ele vai se livrar da hérnia já fico feliz”, contou a mãe Andressa dos Santos.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *