25/04/2024 - Edição 540

Ecologia

Por que o novo Congresso ameaça a segurança ambiental

O número maior de deputados e senadores de direita colocará o país – e, consequentemente, o planeta – em maior risco ambiental

Publicado em 15/10/2022 9:40 - Rudolfo Lago – Congresso em Foco

Divulgação Foto: Eduardo Santos/Flickr

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O aumento da bancada mais conservadora tanto na Câmara como no Senado terá como consequência direta menor compromisso do novo Congresso com a defesa do meio ambiente. O número maior de deputados e senadores de direita colocará o país – e, consequentemente, o planeta – em maior risco ambiental. A possibilidade de reversão desse quadro estará diretamente ligada à vitória no segundo turno de um governo com maior compromisso ambiental. Nesse sentido, a eventual reeleição do presidente Jair Bolsonaro resultaria em desastre.

Essas são as conclusões de estudo feito pelo Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS) com base nos dados do Farol Verde, ferramenta que mede a convergência dos parlamentares com os temas ligados à defesa do meio ambiente.

O estudo mostra que houve perdas significativas na quantidade de parlamentares comprometidos com o tema ambiental tanto na Câmara quanto no Senado, com a não reeleição de nomes importantes na defesa da causa, como o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-RJ). Mas registra, porém, que houve algumas compensações. Como a eleição de Marina Silva pela Rede em São Paulo.

“Fica evidente que a eleição do novo presidente da República, no próximo dia 30 de outubro, selará o destino da política e da legislação socioambiental e climática brasileira na próxima legislatura”, considera o estudo. “Apesar de um parlamento relativamente menos convergente para as pautas socioambientais e climáticas, é sabido que o(s) governo(s) tem peso relativo suficiente para reequilibrar, ou desequilibrar de vez, a tendência antiambiental”, prossegue.

“O atual governo não modula, não modera, apenas promove e acelera a agenda antiambiental no parlamento federal.  A reeleição do governo federal atual, flagrantemente negacionista e antiambiental, seria um desastre para o Brasil e para todo o planeta”, afirma o estudo do IDS. “A eleição de um governo mais moderado, ainda que não ambientalista, deve operar para modular as posições pró e contra a agenda climática e socioambiental, como tradicionalmente ocorreu no Brasil nos últimos 34 anos, em que foi possível avançarmos significativamente no marco legal e programático socioambiental e climático com aprovação de leis importantes, mesmo em condições bastante adversas no parlamento”.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *