25/04/2024 - Edição 540

Ecologia

Lula desfez retrocessos ambientais, mas proteção dos biomas não está consolidada

Culpar o presidente pelo desmatamento de Bolsonaro é ignorar a herança maldita

Publicado em 10/04/2023 11:10 - Murilo Pajolla (Brasil de Fato), Leonardo Sakamoto (UOL) – Edição Semana On

Divulgação Ricardo Stuckert

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Ao completar 100 dias nesta segunda-feira (10), o governo Lula (PT) colocou em marcha medidas vitais para a preservação dos biomas, mas ainda não reverteu de maneira definitiva a tendência de destruição na Amazônia e do Cerrado. E especialistas preveem que isso não vai acontecer tão cedo.

Para cumprir a promessa de campanha do “desmatamento zero” até 2030, será preciso mais do que desfazer o desmonte ambiental deixado por Jair Bolsonaro (PL). Ambientalistas estão confiantes de que os resultados devem aparecer nos próximos anos, desde que haja mais rigor na fiscalização e menos concessões ao agronegócio.

Ane Alencar, diretora de Ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia e coordenadora do biomas Cerrado e Fogo no MapBiomas, diz que os dados do Deter, o sistema de alertas do Inpe, indicam redução sensível no desmatamento da Amazônia e do Cerrado.

Segundo ela, até 24 de março a floresta amazônica viu o desmatamento cair de 941 km² para 710 km², em comparação com o mesmo período do ano passado. No Cerrado, o patamar se manteve com uma queda leve: de 1288 km² para 1244 km².

“Já é uma coisa a se comemorar, principalmente no caso da Amazônia. Mas a gente precisa consolidar essa redução. E essa consolidação vai acontecer conforme o governo estiver mais estruturado e organizado”, diz a integrante do Mapbiomas.

A partir de maio, a política ambiental do governo Lula deve passar literalmente por uma “prova de fogo”. Esse é o período em que termina a estação chuvosa na Amazônia, quando as queimadas começam a aumentar.

“Agora são os meses onde alguma coisa precisa ser feita de fato, com um efeito educativo muito forte para os criminosos ambientais. O governo deve mostrar para todo o mundo que estão tendo operações nos lugares com mais desmatamento. E deixar claro que essas não são áreas abandonadas pelo Estado”, defende Alencar.

Pressão sobre os números do desmatamento 

Márcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, ressalta que não é possível fazer uma avaliação justa do começo do mandato sem considerar que o governo anterior fez tudo em seu poder para favorecer criminosos ambientais. Os efeitos são sentidos até hoje nos números do desmatamento.

“O governo Bolsonaro tinha um plano sistemático, calculado e diariamente executado de sabotagem institucional, de destruição em todas as estruturas de meio ambiente no Estado brasileiro”, pontua Astrini

Entre as medidas de Lula com avaliação positiva do Observatório do Clima, estão a reativação do Fundo Amazônia, a retomada da capacidade de operação do Ibama, a volta da cobrança de multas ambientais e a operação contra o garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami.

“A gente tem um combo de situações bastante interessantes que o governo já colocou para andar. O processo de reconstrução está em andamento, mas os resultados vão demorar um pouco a aparecer”, afirma.

Para marcar os 100 dias, a ministra do Meio Ambiente Marina Silva deve relançar na próxima semana o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm). A iniciativa, que resultou na redução de 80% do desflorestamento do bioma entre 2004 e 2015, foi engavetada por Bolsonaro.

“O grande resumo deste início de mandato é que antes nós contávamos o tempo para a destruição completa da Amazônia, da governança ambiental e da imagem do país. E agora nós contamos o tempo para ver quando o desmatamento vai baixar, quando a governança será reinstalada e quando a nossa rota na agenda de clima vai ser corrigida”, diz o secretário Executivo do Observatório do Clima.

Participação social para barrar agronegócio 

O Observatório da Governança Ambiental do Brasil (OGAM), criado em 2022, cobra do governo Lula a ampliação da participação da sociedade civil no Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). A instância é a mais importante para a interlocução entre governo federal e sociedade civil, mas havia sido esvaziada por Bolsonaro.

“Por um lado foi positivo porque Lula trouxe para dentro do Conama as representações indígenas, sindicais e de cientistas, que tinham sido alijadas no mandato anterior. Ao mesmo tempo, essa composição nova foi frustrante na medida em que ela diminuiu a participação da sociedade civil e aumentou o número de representantes de governo, em comparação com o que tínhamos antes de Bolsonaro.”

A avaliação é de Carlos Bocuhy, presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam) e fundador do OGAM, iniciativa que reúne ambientalistas, juristas e pesquisadores do setor. Ele promete ser uma das vozes que vai pressionar o governo a estabelecer a paridade no Conama entre as organizações da sociedade civil e os integrantes do governo.

Bocuhy diz que a paridade é uma forma de proteger a política ambiental das pressões do agronegócio, que pode minar, de dentro do governo, os esforços para restringir a expansão da fronteira agropecuária sobre os biomas.

“A expectativa nossa com o governo Lula é muito grande, mas sabemos que é um governo de frente ampla. Sendo assim, Lula terá condições de estabelecer um governo ambiental? De que forma essa construção vai se dar? Que concessões serão feitas?”, enfatiza o ambientalista.

Herança Maldita

Assim que os dados de desmatamento no primeiro trimestre foram divulgados, apontando recorde de destruição no Cerrado e a segunda mais alta taxa da série histórica na Amazônia, bolsonaristas ficaram em polvorosa tentando atribuir isso ao governo Lula. O episódio é o puro suco do cinismo, uma vez que essa destruição foi “contratada” ainda na gestão passada.

Aliás, não deixa de ser irônico que o bolsonarismo use dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) para atacar o atual governo sendo que Jair Bolsonaro elegeu o instituto, responsável por mapear o avanço da perda de cobertura vegetal no país, e o seu então diretor, o cientista Ricardo Galvão, como inimigos de sua administração por revelar o aumento da destruição.

O presidente Lula e a ministra do Meio Ambiente Marina Silva deverão ser cobrados pelo caos caso não consigam mudar a realidade implementada pelo governo anterior – que desmantelou políticas de combate a crimes ambientais, atacou a fiscalização e colocou servidores públicos em risco de morte, transformando o país em um pária ambiental global.

Mas hoje o desmatamento no Brasil é uma carreta sem freio descendo a ladeira com o nome de Jair estampado no capô. E, claro, um “patriota” de amarelo pegando carona. O ex-presidente pegou o país com uma devastação ambiental em queda e o entregou em alta.

Para ter uma ideia da situação desesperadora, o Ibama anulou há poucos dias os efeitos de uma decisão do governo Bolsonaro que permitia o calote em multas ambientais no valor de R$ 29,1 bilhões. A medida foi respaldada pela Advocacia-Geral da União (AGU). Alguém acredita que criminosos deixam de desmatar sem punição?

O ministério afirmou à reportagem da Folha de S.Paulo que o número de multas já está 219% maior neste início de ano na Amazônia, e cresceram apreensões de bens e produtos relacionados ao desmatamento, além dos embargos de propriedades.

Nesse sentido, circulou pelas redes bolsonaristas, nesta semana, deprimentes mimimis de produtores rurais conclamando uma guerra contra os fiscais porque seu gado foi apreendido em terras griladas no Sul do Amazonas.

Quando os primeiros dados do sistema Deter, que traz informações de desmatamento em tempo real, deram números otimistas no início do ano, e muita gente boa celebrou como o fim do pesadelo, alertei para termos calma pois não se freia a tal carreta de uma hora para a outra e sem muito sofrimento.

Temendo a derrota eleitoral daquele que tanto os ajudou, madeireiros e garimpeiros ilegais, grileiros de terra e produtores rurais que agem ao arrepio da lei correram para colocar o máximo de floresta no chão em 2022. Sabiam que qualquer outro semovente que assumisse a Presidência da República no ano seguinte não daria a mesma vida fácil. Precisavam fazer tudo o que pudessem naquele momento porque o governo era deles.

E o que significa o governo ser “deles”? Ministro do Meio Ambiente acusado de ajudar em esquema ilegal de exportação de madeira da Amazônia, governo que exonera superintendente da Polícia Federal por investigar o tal ministro, presidente que ataca fiscais do Ibama e do ICMBio e cientistas do Inpe exatamente por fazerem o seu dever.

Contando com as anistias que o Congresso Nacional aprova a desmatadores e grileiros de tempos em tempos, o bolsonarismo rural apostou na política de terra arrasada e de fato consumado.

Conversei com fiscais que atuam no Cerrado que disseram que o comportamento de muitos produtores que atuam ilegalmente continua o mesmo do ano passado. Em sua avaliação, isso não é apenas para peitar o novo governo, mas também testar até onde a gestão petista topa ir na repressão.

Repito: o PT terá sua parcela de culpa socioambiental, como teve com o desastre que foi a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. Mas, por enquanto, o novo governo ainda está revirando os escombros deixados por Bolsonaro, ressuscitando o sistema de proteção ambiental e buscando formas de evitar que a carreta caia no precipício na próxima curva.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *