15/06/2024 - Edição 540

Cultura e Entretenimento

Cultura em Campo Grande é fortalecida com projetos e espaços permanentes

Shows, exposições, artesanato: calendário de ações engloba opções para todos

Publicado em 27/08/2023 9:39 - Semana On

Divulgação Gov MS

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Governo do Estado contribui para fortalecer a cultura em Campo Grande, por meio de eventos ou mesmo nos equipamentos que são mantidos de forma permanente na cidade, que comemora 124 anos no dia 26 de agosto.

O Memorial da Cultura – Apolônio de Carvalho, prédio que abriga a Setescc (Secretaria de Estado de Turismo, Esporte, Cultura e Cidadania), é o maior espaço, em tamanho e também em quantidade de eventos, disponível o ano todo para a população campo-grandense.

O local, além das sedes administrativas da Setescc, da FCMS (Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul) e das subsecretarias, conta com cinco espaços culturais abertos à visitação pública que são a Biblioteca Pública Estadual Dr. Isaías Paim, além do Centro Referencial de Artesanato de MS, MuArq – Museu de Arqueologia da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), MIS (Museu da Imagem e do Som) e o APE (Arquivo Público Estadual de Mato Grosso do Sul).

Nos espaços são realizados diversos eventos ao longo do ano, como o ciclo de Cinema Brasileiro, curso de fotografia para celular e exposições que no MIS e no APE, que também promove oficinas.

No saguão principal do Memorial fica exposto de forma permanente obras artesanais de artistas reconhecidos em Mato Grosso do Sul. São trabalhados dos mais variados, como as incríveis peças de Conceição dos Bugres.

Outro local de valorização da cultura na Capital é a Casa do Artesão, cuja a restauração foi entregue no dia 19 de março deste ano. Foram investidos R$ 2,5 milhões no restauro e conservação da Casa do Artesão, recursos do Governo do Estado.

No espaço, 800 artesãos expõem 3 mil produtos para comercialização entre peças de arte popular, artesanato (inclusive indígena) e produtos alimentícios típicos. Construído entre 1918 e 1923, o local foi a primeira sede do Banco do Brasil, e tem até hoje o cofre como uma das atrações, mas desde 1° de setembro de 1975 abriga a Casa do Artesão. E em 1994, a edificação foi tombada como patrimônio histórico estadual.

Música e artes

A Concha acústica Helena Meireles, no Parque das Nações Indígenas, é um espaço privilegiado para apresentações musicais e de artes cênicas. Com auditório para 1.050 pessoas e Teatro Arena com 450 lugares, o espaço tem recebido os mais diversos eventos, como shows musicais, ensaios de teatro e música, aulas abertas, palestras e minicursos.

Outro local que abriga a cultura em Campo Grande é o Museu de Arte Contemporânea (Marco), também localizado no Parque das Nações Indígenas. O local, que está fechado para reforma, possui de cinco salas de exposição, uma delas exclusiva para mostra permanente e as demais são utilizadas para mostras temporárias.

Para resgatar história e valorizar os artistas sul-mato-grossenses, o Governo do Estado também realiza a reforma o Centro Cultural José Otávio Guizzo e o Teatro Aracy Balabanian. O local, que fica na Rua 26 de Agosto – centro de Campo Grande – possui ainda a Sala de Convenções Rubens Corrêa, Galeria de Exposições Wega Nery, Ateliê de Artes, Sala de Ensaios Conceição Ferreira, Sala de Música e Sala Central.

Com previsão de retorno das atividades no espaço ainda este ano, entre as ações a serem realizadas estão oficinas de dança, música, teatro e artes plásticas, além de espetáculos e exposições. O espaço que conta a cultura do Estado desde 1984, quando foi inaugurado, recebe investimento de R$ 5,5 milhões na reforma.

MS AO VIVO

O novo projeto da FCMS conta com atrações regionais e nacionais que vão se apresentar gratuitamente no Parque das Nações Indígenas, mensalmente, até novembro deste ano. A proposta é para que todo mês haja um domingo de música no Parque, oferecendo além de entretenimento, a contemplação do pôr do sol campo-grandense.

O Governo de Mato Grosso do Sul realiza o projeto MS ao Vivo, com atrações regionais e nacionais que se apresentam – uma vez por mês, até novembro – gratuitamente no Parque das Nações Indígenas.

Os primeiros artistas que se apresentaram foram a banda Natiruts (no dia 16 de julho) e o duo Anavitória (no dia 13 de agosto). Os próximos shows serão dos artistas Rubel – 10 de setembro -, Simone – 8 de outubro -, e o rapper Criolo – 12 de novembro.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *