17/07/2024 - Edição 550

Ágora Digital

O Brasil está doente, muito doente

Pablo Marçal pontuando para prefeito de SP mostra que os bois nos levam pro brejo

Publicado em 30/05/2024 1:39 - Victor Barone

Divulgação Victor Barone - Midjourney

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Pesquisa Datafolha realizada nos últimos dias 27 e 28 colocou o coach Pablo Marçal, do PRTB, pontuando na disputa pela Prefeitura da maior cidade do país, São Paulo. O levantamento sobre intenções de votos feito com 1.092 eleitores mostrou o moço tecnicamente empatado com a deputada Tabata Amaral (PSB) nos três cenários divulgados.

Tabata obteve 8% das menções contra 7% para Marçal, no cenário com o apresentador José Luiz Datena (PSDB) e o deputado Kim Kataguiri (União Brasil) na disputa. Ambos – Tabata e Marçal – tiveram igualmente 9% no cenário sem Datena e Kim Kataguiri, e 1% na intenção de voto estimulada. Marçal também apareceu, ora à frente, ora pouco atrás de Tabata Amaral nos levantamentos dos institutos Atlas e Paraná Pesquisas divulgados nesta semana.

O deputado federal Guilherme Boulos (PSOL) e o prefeito Ricardo Nunes (MDB) liderem a corrida pela Prefeitura de São Paulo nos cenários testados pela pesquisa Datafolha. No cenário mais completo, Boulos tem 24% das intenções de votos, enquanto Nunes marca 23%. No outro cenário, sem Datena e o deputado Kim Kataguiri na disputa, as posições se invertem apenas numericamente, com 26% a 24% para o atual prefeito.

Marçal chegar a quase 10% dos votos paulistas surpreendeu por sua imensa irrelevância intelectual, política e moral. Trata-se apenas de um influenciador de internet, sem estrada política ou experiência administrativa como gestor público.

No Instagram, Marçal se intitula “o call center que se tornou mentor de 10 milhões de brasileiros”. Empresário, palestrante, escritor de autoajuda e influenciador, ele soma 10,2 milhões de seguidores na rede social.

Nascido em Goiânia, Marçal tem 37 anos e é casado com Ana Carolina Marçal, com quem tem quatro filhos. É proprietário da empresa Plataforma Internacional, onde também atua como coach de desenvolvimento pessoal.

Ele tentou se candidatar à presidência pelo Pros, em 2022, mas o próprio partido cancelou a candidatura. Marçal não chegou a 0,5% de intenções de voto e o Pros decidiu apoiar o então candidato Lula (PT). Concorreu como deputado federal por São Paulo, mas o registro foi indeferido pelo TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral). Recebeu 243 mil votos, mas não assumiu a vaga.

Desde o ano passado, vem trocando de partido em busca da candidatura. Primeiro, se filiou ao Solidariedade. Em março deste ano, foi para o DC (Democracia Cristã) e, duas semanas depois, mudou de legenda novamente. Desde 5 de abril, faz parte do PRTB.

Marçal ficou conhecido nacionalmente após organizar uma subida ao Pico dos Marins, em São Paulo, em meio a alertas de mau tempo. Em janeiro de 2022, ele levou mais de 30 pessoas para a Serra da Mantiqueira após o Corpo de Bombeiros anunciar possibilidade de rajadas de vento com mais de 100 km/h. Barracas e mantimentos foram levados pelo temporal e o grupo precisou ser resgatado pelos bombeiros — que criticaram a postura do coach.

Marçal voltou a ganhar destaque após publicar fake news sobre os trabalhos de resgate e atendimento às vítimas das cheias no Rio Grande do Sul. Em vídeo publicado no dia 5 de maio, ele afirma que “a Secretaria da Fazenda do Estado está barrando os caminhões de doação” e “não estão deixando distribuir comida, marmita”. As acusações foram desmentidas pela Secretaria da Fazenda do RS e a investigação foi encaminhada pelo ministro Paulo Pimenta (PT) para o STF.

Ele afirmou em suas redes sociais que as Forças Armadas estão “inertes” diante da crise no RS. Após a fala, a AGU (Advocacia-Geral da União) ingressou com ação judicial e pediu direito de resposta.

Pablo Marçal é um clown dos tempos modernos – com todo o respeito aos palhaços. Um fenômeno de redes sociais em tempo de vazio intelectual e de alma, e de superficialidade exacerbada. O fato de amealhar quase 10% dos votos dos paulistas mostra o quanto o Brasil está doente.

VICTOR BARONE

É jornalista, poeta, professor e Mestre em Comunicação pela UFMS. É editor da Semana On desde a sua fundação.

 Email

Facebook

Linkedin

Leia outros artigos da coluna: Ágora Digital

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *