21/07/2024 - Edição 550

Meia Pala Bas

Falando pelas tripas

Publicado em 12/12/2014 12:00 - Rodrigo Amém

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Aristóteles dizia que “o sábio nunca diz tudo o que pensa, mas pensa sempre tudo o que diz”.  Mas isso tem bem mais de dois mil anos e os sábios estão em baixa no mercado. Em tempos de conteúdo instantâneo e descartável, o que importa é falar rápido, com exagero. O importante não é contribuir pra o diálogo, mas provocar o bate-boca. O que vale é falar o que dá na telha.

Os americanos usam a expressão “gut feeling”, que literalmente significa “sensação nas tripas”, para justificar decisões que são tomadas não a partir dos fatos e de análise racional da situação, mas da sensação que a situação provoca. Uma parte considerável da extrema direita republicana se orgulha de fazer política baseada no sentimento, não na razão. Essa moda já desembarcou no Brasil e nem precisou pagar imposto.

Em tempos de conteúdo instantâneo e descartável, o que importa é falar rápido, com exagero.

O problema do gut feeling é que ele confunde “falar sem pensar” com sinceridade e impulsividade com autenticidade. É difícil encontrar uma subcelebridade que não se defina como uma pessoa “verdadeira”, que “não tem filtro”, que “fala na cara”, como se isso fosse qualidade, não sociopatia.

Bolsonaro é o representante maior desta corrente de (não) pensamento. Sejamos realistas. Ele provavelmente não acredita que a deputada Maria do Rosário não mereça ser estuprada por ser “petralha vendida”. Até porque isso implicaria na conclusão de que Bolsonaro acredita que uma deputada do PP eventualmente envolvida em esquemas de corrupção seria merecedora de um estupro já que, apesar de corrupta, é de direita. Ele provavelmente não pensa assim.

No entanto, ele acha que é bonito comportar-se na plenária do Congresso como se estivesse na mesa do boteco, gritando grosserias pras mulheres que passam. Ou pior, como se tivesse no confessionário de um reality show de quinta-categoria. Bolsonaro acha que truculência não é falta de decoro. É só a sua forma “super sincera” de fazer política.

Podemos falar muitas coisas sobre o Deputado mais votado do Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro. O problema é que jamais poderemos dizer que seus eleitores foram enganados.

Leia outros artigos da coluna: Meia Pala Bas

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *