25/05/2024 - Edição 540

Meia Pala Bas

A incerteza dos moderados

Publicado em 23/01/2015 12:00 - Rodrigo Amém

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Tarefa ingrata é tentar convencer um ser humano a mudar de opinião. Isso que eu e meus colegas articulistas fazemos é uma verdadeira tarefa de Sísifo. Todas as semanas, rolamos a pedra dos fatos morro acima, na esperança de que ela se sustente no topo. Uma vez publicado o artigo, a coisa toda rola morro abaixo, direto para o fórum de comentários raivosos.

Os psicólogos chamam isso de dissonância cognitiva. Uma expressão científica para a tendência do homem, quando confrontado com fatos contrários às suas ideias, ignorar os fatos e fincar o pé nas próprias crenças. Um fenômeno real e identificado em diversos artigos científicos.

Leonardo Sakamoto e Reinaldo Azevedo não estão no ramo de exorcizar infiéis. O trabalho deles não é desmantelar coxinhas e purgar petralhas. Eles escrevem para seus pares.

Os especialistas divergem (até eles!) sobre as possíveis causas da dissonância cognitiva. Entre as teorias mais aceitas, podemos ponderar que – no fundo – não somos mais do que a soma de nossas convicções. Logo, abrir mão delas seria uma profunda afronta à nossa própria identidade. Há também a hipótese antropológica. Nossos ideais são forjados pelo grupo social onde vivemos. Se abdicarmos deles, como isso impactará nossas relações com familiares e afins? Pergunte a um ex-religioso como o abandono de sua fé afetou sua relação com seus entes queridos. Não importa a qualidade do argumento, ele será ignorado. A menos que venha pra confirmar nossa ideologia.

Leonardo Sakamoto e Reinaldo Azevedo não estão no ramo de exorcizar infiéis. O trabalho deles não é desmantelar coxinhas e purgar petralhas, respectivamente. Eles escrevem para seus pares. Pregam para os convertidos. Até porque, esta é a única forma de pregação verdadeiramente eficaz. Eles escrevem como quem sussurra ao subconsciente de seus leitores: “Fica tranquilo. Tem gente mais culta e articulada que partilha a sua visão de mundo. Você não está nem só, nem errado”.  

Minha mãe costuma dizer: “Fulano tem a certeza que só a ignorância dá”. Da minha parte, satisfaz-me dialogar com a incerteza dos moderados. 

Leia outros artigos da coluna: Meia Pala Bas

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *