01/03/2024 - Edição 525

Brasil

Taxa de homicídios de capitais cresce até 40% e a ‘culpa’ é do censo

Como o levantamento do IBGE não era realizado desde 2010 e, projeções mascararam o aumento da violência

Publicado em 15/07/2023 6:15 - José Roberto de Toledo - UOL

Divulgação Fernando Frazão - Abr

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Com o censo de 2022 divulgado pelo IBGE apontando uma população no Brasil menor do que as projeções mostravam, muitas estatísticas dos municípios brasileiros devem sofrer alterações. Uma delas é a taxa de homicídios, que na realidade, pode ser até 40% mais alta do que o estimado em algumas capitais brasileiras.

Consequência prática em diversas estatísticas

O Censo não era realizado no Brasil desde 2010 e, sendo assim, as projeções feitas pelo IBGE levavam em consideração uma simulação do tamanho da população. Nos dados da edição 2022, divulgada pelo IBGE, muitos municípios descobriram que sua população era menor que a projetada. A consequência é que todas as estatísticas municipais que dividem algum tipo de indicador pela população devem mudar.

Taxa de homicídios nas capitais do Brasil é maior do que se pensava

Com base nos dados de mortalidade disponíveis no DataSUS, um cálculo pode ser realizado com base na nova população encontrada pelo Censo nas 27 capitais brasileiras e a taxa de mortalidade por homicídio. O resultado pode ser até 47% maior do que o divulgado em algumas capitais, como é o caso de Boa Vista (RR), em que houve a maior distorção.

Mortes violentas de intenção indeterminada

Para se chegar à taxa de mortalidade, além dos dados de agressões, também incluiu-se a tipificação de mortes violentas de intenção indeterminada. Essas mortes são classificadas dessa forma quando um corpo com sinais de violência é encontrado, mas as forças de segurança não conseguem identificar a motivação da morte nas investigações. Essa tipificação não é utilizada nos dados oficiais sobre homicídios como uma forma de mascarar os números reais. Durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), inclusive, o número de registros desse tipo de morte aumentou bastante.

Homicídios na região Norte disparam

Fazendo a divisão da população registrada no Censo de 2022 pela mortalidade por agressões e mortes violentas de intenção indeterminada, a taxa de homicídio é muito superior ao número encontrado se o denominador fosse a população projetada pelo IBGE para os municípios em 2021. O número cresce, em especial, na Região Norte. Em Boa Vista (RR) a taxa de homicídios é 47% maior do que o número oficial, em Palmas (TO) 32% maior, em Macapá (AP) 28%, em Porto Velho (RO) 25% e em Manaus 22%.

Mudanças nas formulações de políticas públicas

As políticas públicas, inclusive de segurança pública, são formuladas com base no tamanho da população, que no caso do Brasil era superestimada em 10 milhões. Com os números divulgados no censo pelo IBGE, taxas de internação hospitalar, de homicídios, de mortalidade e de incidências de doença per capita terão que ser revistas.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *