25/04/2024 - Edição 540

Brasil

Por que Carrefour se tornou área perigosa para pessoas negras?

Apesar das ‘notas’, ações justiceiras e milicianas continuam ocorrendo na Rede através de funcionários sob sua responsabilidade

Publicado em 08/05/2023 9:45 - Leonardo Sakamoto (UOL), RBA – Edição Semana On

Divulgação O Joio e o Trigo

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Brasil registrou mais um caso de pessoas negras sendo agredidas em um supermercado, e mais uma vez o crime ocorre nas dependências do grupo Carrefour. Um casal foi torturado e humilhado por supostamente furtar leite em pó no Big Bom Preço, do bairro São Cristóvão, em Salvador, na sexta (5).

Após um caso envolvendo a professora negra Isabel Oliveira, em abril, o presidente Lula afirmou, em reunião ministerial, que “o Carrefour cometeu mais um crime de racismo com uma cliente negra” e que “a gente não vai admitir o racismo que essa gente tenta impor ao Brasil“. Apesar da promessa, uma nova agressão ocorreu.

O caso gerou comoção após um vídeo com as agressões e a justificativa de ambos, de que o produto era para alimentar a filha, viralizar nas redes sociais. O grupo de origem francesa afirmou, em nota, que os líderes da loja foram demitidos e o contrato com a empresa que cuidava da segurança externa, rescindido.

Mas não adianta soltar repetidas notas dizendo que não compactua esse tipo de crime se ações justiceiras e milicianas, que atropelam a Constituição Federal, continuam ocorrendo em suas lojas através de funcionários sob sua responsabilidade. Pois vai ficando a impressão de que, quem visitar o mercado, a depender da classe social e cor de pele, vai encontrar carne, frutas, pilhas, amaciante, mas também tortura.

O grupo é o maior do país, segundo levantamento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), com faturamento de R$ 108 bilhões em 2022. Isso é mais que a somatória do segundo colocado (Assaí, com R$ 59,7 bi), do terceiro (Grupo Mateus, R$ 24,6 bi) e do quarto (Grupo Pão de Açúcar, R$ 18,5 bi). Mas não explica sozinho, dada a frequência.

Com esse tamanho, o senso comum apontaria que a incidência de problemas tende a ser maior. Mas a lógica de responsabilidade empresarial não funciona dessa forma. Pois, muito mais dinheiro à disposição pode significar mais dividendos pagos aos acionistas ou mais recursos para uma empresa implementar protocolos de salvaguardas a fim de garantir que a vida seja respeitada em suas dependências.

A menos que, entre os motivos dos lucros, estejam a contratação de empresas desqualificadas para cuidar da segurança, a falta de investimento em treinamento de funcionários e uma política interna que proteja o patrimônio acima da dignidade humana. O que mostraria um alinhamento do grupo francês à nossa herança escravista, que ainda permite que pessoas em posição de poder sintam-se gestoras do pelourinho.

O fato é que a principal rede varejista do Brasil continua dando condições para que agressões, torturas e racismo continuem ocorrendo pelas mãos de seus funcionários. E não importa que sejam empregados diretos ou terceirizados, a responsabilidade é sempre do Carrefour.

Uma empresa à frente de seu segmento não deveria nortear só pelo faturamento, mas também pelo bom exemplo. Mas ela vem liderando pelo péssimo exemplo.

Para citar casos recentes: no último dia 7 de abril, a professora negra Isabel Oliveira foi perseguida por um segurança enquanto fazia compras no Atacadão Parolin, em Curitiba, que pertence à rede francesa. Depois, retornou ao estabelecimento e tirou a roupa em forma de protesto, mostrando a frase que escreveu no próprio corpo: “sou uma ameaça?”.

No mesmo dia, Vinícius de Paula, marido de Fabiana Claudino, bicampeã olímpica de vôlei, diz ter sofrido racismo em uma unidade do Carrefour, em Alphaville, condomínio de alta renda próximo a São Paulo. Ele teve atendimento negado em um caixa preferencial vazio, que depois aceitou uma cliente branca que também não se enquadrava nos requisitos.

Ou um caso emblemático: Em 19 de novembro de 2020, João Alberto Silveira Freitas foi assassinado em uma unidade do Carrefour, em Porto Alegre, na véspera do Dia da Consciência Negra. Imobilizado, acabou sufocado e espancado até a morte no estacionamento por um segurança e um policial militar temporário. O caso levou a empresa a fechar um acordo para mudar o comportamento em suas lojas – o que claramente não ocorreu.

E os casos não são de hoje, claro. Por exemplo, em agosto de 2009, Januário Alves de Santana, acusado de estar roubando um automóvel em uma loja do Carrefour, em Osasco (SP), foi submetido a uma sessão de tortura. “O que você fazia dentro do EcoSport, ladrão?”, perguntaram, enquanto cinco pessoas davam chutes, murros, coronhadas, na sua cabeça, na sua boca. O carro era dele, comprado em 72 vezes.

E não é só o Carrefour palco de tortura e morte

Claro que o Carrefour não é o único palco de tragédias como essas, os crimes ocorrem em outras empresas.

Em outubro do ano passado, dois homens foram torturados e extorquidos por cinco seguranças do UniSuper, em Canoas (RS), diante do gerente e do subgerente da loja, após tentarem furtar duas peças de picanha. Vítima das piores agressões, um homem negro foi colocado em coma induzido no hospital com fraturas no rosto e na cabeça. Após o espancamento, o gerente ainda tirou uma foto para comemorar.

Em abril de 2021, Bruno Barros e Yan Barros, tio e sobrinho, que furtaram carne de uma unidade do supermercado Atakadão Atakarejo, em Salvador, foram encontrados mortos com sinais de tortura e marcas de tiro. Os seguranças do mercado teriam entregue ambos a traficantes para que fossem punidos e mortos.

Em 14 de fevereiro de 2019, Pedro Henrique de Oliveira Gonzaga foi morto por um segurança do supermercado Extra na Barra da Tijuca. Ele deu uma gravata e jogou seu peso sobre o jovem negro. Pessoas alertaram que Pedro estava sufocando, mas a sessão de tortura continuou. A mãe do rapaz presenciou a cena. Pedia para o segurança parar.

Em julho de 2019, um jovem negro de 17 anos foi despido, amordaçado e chicoteado por dois capatazes após tentar um furto barras de chocolate de uma unidade do supermercado Ricoy na periferia de São Paulo. Como em Abu Ghraib, no Iraque, os próprios algozes gravaram as cenas.

Tudo isso se repete já fazendo parte da paisagem de um país definido pelo racismo em todos os níveis de suas relações sociais. A diferença é que, nos últimos anos, as agressões, que sempre ocorreram, podem ser assistidas por milhões gravadas por câmeras de segurança ou celulares.

Empresas podem ser motores do desenvolvimento social ou vetores de manutenção da violência. É hora delas apontarem de que lado querem estar. E o governo de punir economicamente as empresas e seus gestores que insistirem em ficar no segundo grupo.

Para evitar esse padrão, o governo Lula terá que buscar mudanças na legislação para aumentar a responsabilização das empresas por crimes contra direitos humanos e aumentar a atuação de auditores fiscais do trabalho sobre empresas e suas terceirizadas.

Em um momento em que vozes dentro do próprio governo sussurram medidas que significam afrouxar a punição a empresas em nome do “crescimento econômico” e da “governabilidade”, isso vai ser uma prova de fogo para um governo que se elegeu com o discurso de respeito aos direitos humanos.

Algoritmos replicam racismo estrutural nas redes sociais

Empresas de tecnologia digital utilizam algoritmos para diversas finalidades. São padrões e sequências automatizadas para resolver algum problema. Eles são responsáveis, por exemplo, pela distribuição de conteúdos específicos para cada pessoa em redes sociais. Também estão por trás de experimentos de inteligência artificial, onde “comandam” as estratégias do aprendizado de máquina. Contudo, são pessoas que os programam. Dito isso, a ciência agora se debruça sobre os problemas humanos transmitidos a esses algoritmos. Questões como racismo, machismo e classismo.

“Uso o termo ‘racismo algorítmico’ para explicar como tecnologias e imaginários sociotécnicos em um mundo moldado pelo privilégio branco fortalecem a ordenação racializada de conhecimentos, recursos, espaço e violência em detrimento de grupos não brancos”, resume o pesquisador Tarcízio Silva, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em artigo do Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz Antonio Ivo de Carvalho (CEE-Fiocruz).

Então, enquanto a sociedade discute a regulamentação das redes, Tarcizio argumenta pela necessidade de que o tema do ‘racismo algorítmico’ entre na pauta. As iniciativas para entender e controlar as novas tecnologias, em especial as redes sociais e a Inteligência Artificial (IA), estão em evidência em todo o mundo. No Brasil, o governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) adotou uma agenda de debates sobre o combate à cultura do ódio nestes ambientes. Na última semana, inclusive, o Ministério da Justiça editou uma portaria para obrigar que as empresas retirem do ar conteúdos impróprios de incitação à violência.

Racismo tecnológico

Neste contexto, Tarcizio lembra que as decisões das redes, a distribuição de conteúdos, entre outras ações, não são isentas. “O principal problema na superfície é que sistemas algorítmicos podem transformar decisões e processos em caixas opacas inescrutáveis, isto é, tecnologias repletas de problemas são lançadas na sociedade e podem aprofundar discriminações, que vão de buscadores que representam negativamente pessoas negras até softwares de policiamento preditivo – uso de dados e análises para predizer o crime – que fortalecem a seletividade penal”, afirma

Por isso, o pesquisador chama a atenção para o método de elaboração destes mecanismos. Em suma, ele faz um libelo pela transparência. “O desenvolvimento de tecnologias algorítmicas se alimenta do histórico social para oferecer uma pretensa inteligência artificial. Mas essa ‘desinteligência’ artificial, que atualiza opressões como o racismo estrutural, é vendida como neutra”, afirma.

Racismo estrutural

É por essas e outras que Tarcizio enxerga a questão do racismo algorítmo como uma consequência lógica do racismo estrutural. Mais do que isso, uma “atualização”, sua “ponta de lança na era da datificação da sociedade”. “A manutenção do racismo como sistema de produção de vantagens em prol de um grupo hegemônico, a branquitude, é profundamente dependente de uma epistemologia da ignorância para manutenção do poder. Em outras palavras, a branquitude mantém uma compreensão limitada da sociedade para que as estruturas de poder racializadas e generificadas não sejam questionadas”, argumenta.

Por fim, o cientista pensa ser indispensável o controle das redes e de outras novas tecnologias. “O controle social da tecnologia é um objetivo indispensável, se desejarmos futuros democráticos e benéficos para o mundo. O Brasil é um exemplo teórico de governança da internet multissetorial, com mecanismos de participação de setores como governo, empresas, sociedade civil e academia na discussão sobre políticas, regulação e caminhos da internet. Na prática, porém, o setor privado tem agido de forma consistente contra os interesses da população, em alguns momentos até promovendo desinformação sobre governança.”


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *