21/04/2024 - Edição 540

Brasil

Depois da “pressão” de Haddad, Shein anuncia investimentos de R$ 750 milhões e quer criar 100 mil empregos no Brasil

Representantes da empresa se encontraram na semana passada com o ministro da Fazenda

Publicado em 24/04/2023 10:20 - Brasil de Fato, RBA – Edição Semana On

Divulgação Abr

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A gigante varejista de moda chinesa Shein anunciou planos de investimento de R$ 750 milhões no Brasil. Segundo a empresa, o objetivo é garantir a geração de até 100 mil empregos nos próximos três anos.

O anúncio acontecu logo depois de o governo confirmar que não vai taxar encomendas internacionais com preços de até US$ 50 (cerca de R$ 250, na cotação atual). A Shein é uma das principais vendedoras de roupas e acessórios para consumidores brasileiros.

Os planos de investimento da empresa chinesa no Brasil preveem a criação de uma rede com cerca de dois mil fabricantes do setor têxtil no país. Além disso, a ideia é oferecer produtos de vendedores em um marketplace (canal online de vendas) específico para o mercado brasileiro.

Segundo a empresa, o investimento anunciado “permitirá aos produtores locais gerenciar melhor os pedidos, reduzir o desperdício e diminuir o excesso de estoque, resultando em maior agilidade para responder à demanda do mercado”.

A companhia chinesa pretende oferecer tecnologia e treinamento aos fabricantes no país para garantir operações mais eficazes, que atendam o modelo de negócio da Shein. Além disso, quer “tornar o país um polo mais moderno de produção têxtil e de exportação para a América Latina”, segundo comunicado oficial.

Representantes da empresa se reuniram na semana passada com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Ao deixar o encontro, o ministro adiantou planos da empresa para nacionalização de 85% das vendas realizadas a consumidores brasileiros nos próximos quatro anos.

“O Brasil é um mercado importante para nós, e estamos comprometidos em apoiar o crescimento econômico e o sucesso da Shein por todo o país”, disse o diretor geral da empresa no Brasil, Felipe Feistler, em comunicado.

Desemprego caiu em 2022, mas ficou acima de 2015 e inflou com informalidade

A taxa média de desemprego no Brasil recuou para 9,3% em 2022, mas ficou acima do período 2012-2015, que registrou os menores índices. Embora o número de desempregados tenha recuado 27,9% ante 2021, para 10 milhões, o total de pessoas à procura de trabalho cresceu 46,4% desde 2014, quando a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua tinha o menor contingente de desempregados (6,8 milhões).

Assim, o governo Bolsonaro teve as duas maiores taxas de desemprego da série histórica da Pnad Contínua: 13,8% em 2020 e 13,2% em 2021, período de pandemia e flexibilização crescente das modalidades de contratação. A menor continua sendo a registrada em 2014 (6,9%).

De acordo com a pesquisa, o total de ocupados chegou a 98 milhões, maior média anual da série, com crescimento de 7,4% sobre 2021. Mas o número de empregados sem carteira no setor privado (12,9 milhões) cresceu mais que o de trabalhadores com carteira (35,9 milhões). Os aumentos foram de 14,9% e 9,2%, respectivamente.

Já o número médio de trabalhadores por conta própria subiu 2,6%, para 25,5 milhões. Por sua vez, os empregados no setor doméstico, onde predomina a informalidade, aumentou 12,2%, somando 5,8 milhões.

Com esses resultados, a taxa média de informalidade oscilou de 40,1%, em 2021, para 39,6%. Mas fica acima das taxas registrada em 2016 (38,6%) e mesmo em 2020 (38,3%).

Os desalentados foram estimados em 4,3 milhões de pessoas, queda anual de 19,9%. O recorde desse grupo é de 2020 (5,5 milhões), enquanto o menor número foi apurado em 2014 (1,5 milhão).

Estimado em R$ 2.715, o valor médio do rendimento caiu 1% em relação ao ano anterior. Mas, com o crescimento da ocupação, o total da massa de rendimentos chegou a R$ 261,3 bilhões, o maior da série. No período de 2012 a 2022, a massa cresceu 12,6%.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *