18/06/2024 - Edição 540

Auau Miau

Os cães e as doenças infectocontagiosas

Publicado em 26/03/2014 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Uma boa dieta ou a abundância de exercícios são importantes para a saúde de um animal de estimação, mas não são a garantia de que o cão ou o gato estejam totalmente imunes a doenças. Identificar os sintomas de uma doença pode não ser algo fácil, mas perceber que há algo de errado com o animal é algo simples.

Uma pesquisa realizada em janeiro de 2008 pela ONG Arca Brasil, em parceria com o Hospital Veterinário da Universidade Anhembi Morumbi, identificou as cinco doenças e problemas de saúde mais comuns entre cães e gatos. São elas: doenças infectocontagiosas, doenças alérgicas, doenças do metabolismo, problemas articulares e traumas causados por atropelamentos ou brigas.

No caso das doenças infectocontagiosas, esse tipo de contaminação é muito comum e é altamente transmissível. Entre as doenças que registram maior número de casos estão a cinomose, a parvovirose e a leptospirose, esta última principalmente em épocas de chuvas.

Cinomose

A cinomose é uma doença transmitida por vírus e aparece geralmente em cães. O médico- veterinário Fabrício Machado explica que esta doença é extremamente complexa e com sintomas variados, divididos em três estágios, sendo eles: os respiratórios (tosses, espirros, secreção nasal e ocular), os gastrointestinais (vômitos e/ou diarreia) e os neurológicos (secundários à encefalite, como convulsões, incoordenação motora, fraqueza nas patas traseiras e movimentos involuntários de musculatura, que podem ocorrer nos músculos da face, dos membros ou do abdômen).

"Temos bastante casuística dessa enfermidade e muitas vezes o motivo de tantos casos é a falta da informação para os proprietários, que devem vacinar corretamente seus animais de estimação", informa Fabrício.

Por tratar-se de uma doença que atinge vários órgãos, a cinomose pode deixar sequelas ou matar o cão.

A prevenção é feita por meio de vacinas que o cão deve tomar durante toda a vida. O tratamento para animais infectados é complexo e nem sempre apresenta um resultado satisfatório. Por tratar-se de uma doença que atinge vários órgãos, a cinomose pode deixar sequelas ou matar o cão.

A parvovirose também é transmitida por vírus e é mais comum em filhotes. A doença é transmitida por via oral e inalatória, por meio do contato com material fecal de algum animal contaminado. Os sintomas são vômitos e diarreias hemorrágicas no animal e pode haver consequências sérias por conta da desidratação.

O tratamento requer internação e medicação. O animal costuma responder bem ao tratamento, mas, em caso de ser contaminado ainda muito novo, a doença pode prejudicar seu desenvolvimento.

A parvovirose é transmitida por via oral e inalatória, por meio do contato com material fecal de algum animal contaminado.

Já a leptospirose, de acordo com Fabrício, "é uma doença bacteriana que pode ser transmitida por contato com a urina de ratos, principalmente em locais que ficam próximos a córregos, rios ou após enchentes. Nesta doença, os cães podem se contaminar com essa urina contaminada e transmitir às pessoas", explica.

Para evitar a doença, é recomendado não deixar a comida do animal exposta e trocar a água todos os dias. As vacinas também são importantes, mas, como não têm duração de 12 meses como as outras, é preciso aplicá-las no animal de seis em seis meses.

O tratamento depende do estágio da doença, mas requer terapia com antibióticos e internação para evitar transmissão.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *