24/07/2024 - Edição 550

Saúde

Vacinação contra a dengue no SUS: o que você precisa saber

Brasil recebe primeira remessa de doses da vacina Qdenga, que será disponibilizada gratuitamente pelo SUS em várias regiões do país a partir de fevereiro

Publicado em 29/01/2024 10:21 - DW

Divulgação Fernando Frazão - Abr

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Brasil recebeu, em 20 de janeiro, uma primeira remessa com cerca de 750 mil doses da vacina contra a dengue, que será disponilizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em diversas regiões do país – num primeiro momento, apenas para um público definido e moradores de regiões prioritárias.

O lote faz parte de um total de 1,32 milhão de doses fornecidas ao Ministério da Saúde sem cobrança pelo laboratório japonês Takeda, que desenvolveu a vacina Qdenga.

Uma segunda remessa, com 570 mil doses, tem previsão para ser entregue em fevereiro. Além dessas, a pasta adquiriu a quantidade total disponível pelo fabricante para 2024, 5,2 milhões de doses, que serão entregues ao longo do ano, até novembro.

Diante da capacidade limitada de fabricação de doses, o governo federal prevê que cerca de 3,2 milhões de brasileiros sejam vacinados em 2024, já que o imunizante requer duas doses, com intervalo de 90 dias entre elas.

Aprovada em março de 2023 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a vacina já está disponível na rede privada de saúde desde julho do ano passado, com preços entre R$ 300 a R$ 800 a dose. Por meio do SUS, a vacinação será gratuita e, para os cofres públicos, teve um custo de R$ 95 por dose, valor alcançado após negociações.

O Brasil bateu recorde de mortes por dengue em 2023, com 1.094 vítimas, segundo o Ministério da Saúde. O recorde anterior era de 2022, com 1.053 óbitos. Já os casos de dengue chegaram a 1,65 milhão no ano passado, um aumento de 16,8% em relação a 2022, quando o governo registrou 1,42 milhão de infecções.

Apenas em 2024, segundo dados até 17 de janeiro, foram registrados mais de 55 mil casos prováveis de dengue, e seis óbitos foram confirmados.

Quem pode tomar a vacina?

A vacina pode ser aplicada em pessoas de 4 a 60 anos de idade. Como todo imunizante de vírus vivo, a Qdenga é contraindicada para gestantes e mulheres que estão amamentando, além de pessoas com imunodeficiências primárias ou adquiridas e indivíduos que tiveram reação de hipersensibilidade à dose anterior.

De acordo com a empresa fabricante, não há diferença entre indivíduos que tiveram contato com o vírus ou não. Para quem apresentou a infecção recentemente, a orientação é aguardar seis meses para receber o imunizante.

Inicialmente, a vacina não será disponibilizada em larga escala e terá público e regiões prioritárias, dado o número limitado de doses.

Segundo o governo, o imunizante será destinado a municípios com alta transmissão nos últimos dez anos e população residente igual ou maior a 100 mil habitantes, levando também em conta altas taxas nos últimos meses.

Em 2024, o público-alvo serão crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, faixa etária que concentra o maior número de hospitalização por dengue depois dos idosos, grupo para o qual a vacina não foi liberada pela Anvisa.

A previsão é que as primeiras doses sejam aplicadas em fevereiro. A lista dos municípios e a estratégia de vacinação deverão ser informadas pelo Ministério da Saúde nos próximos dias.

Quantas doses são necessárias?

O ciclo de imunização com a Qdenga é completo com duas doses, sendo que a segunda deve ser aplicada três meses após a primeira.

Nos ensaios clínicos, a eficácia geral registrada foi de 80,2% contra a dengue causada por qualquer sorotipo, após 12 meses da segunda dose. A vacina também reduziu as hospitalizações em 90%. Segundo o laboratório Takeda, a vacina garante imunização contra a doença por até cinco anos.

Quem é o fabricante?

A vacina da dengue é produzida pela Takeda Pharmaceutical Company, farmacêutica japonesa fundada em 1781, também responsável pela produção de medicamentos para diabetes, hipertensão, insônia, refluxo, entre outros. A Qdenga, com duas doses, previne a propagação dos quatro diferentes serotipos do vírus da dengue propagados pelo mosquito Aedes aegypti.

Transmissão e prevenção

Transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, os principais sintomas da doença são febre alta, dor no corpo e articulações, dor atrás dos olhos, mal estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas pelo corpo.

A dengue hemorrágica, a forma mais grave da doença, pode causar dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, acúmulo de líquidos, letargia e sangramento de mucosa. A dengue hemorrágica é mais comum durante uma segunda infecção.

O melhor método para prevenção da dengue é reduzir a infestação de mosquitos, não deixando água parada e acumulada, que costuma ser usada pelo Aedes como criadouro.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *