28/02/2024 - Edição 525

Saúde

Mamografia 3D melhora detecção de câncer, diz estudo

Publicado em 26/06/2014 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Um novo exame chamado tomossíntese, mais conhecido como mamografia 3D, pode aumentar a taxa de detecção de câncer de mama e reduzir os alarmes falsos, segundo um estudo publicado nesta semana.

A tomossíntese foi aprovada há cerca de três anos no Brasil e nos EUA. O exame é similar à mamografia convencional, mas a diferença está na obtenção e na qualidade da imagem. Enquanto a mamografia comum é plana, sua versão 3D tira "fotos" de diferentes ângulos e cria uma imagem tridimensional.

Mais caro e ainda restrito no país – existem por volta de dez aparelhos no Brasil–, o exame tem sido usado para complementar a mamografia convencional em casos de dúvidas de diagnóstico. Também é indicado para mamas mais densas, mais comuns em mulheres mais jovens.

Mais testes

Os resultados do novo estudo, publicado na revista médica "Jama", mostram que a mamografia 3D é promissora, mas especialistas lembram que o exame ainda está há pouco tempo no mercado e é cedo para dizer se ele é capaz de reduzir o número de mortes por câncer.

A pesquisa analisou o histórico de 13 centros de mamografia nos EUA. Os autores compararam a taxa de detecção de câncer, a frequência com que as mulheres eram chamadas de novo para fazer novos exames e os resultados das biópsias.

Foram revisados cerca de 450 mil exames: 280 mil mamografias e 170 mil combinações de mamografia e tomossíntese. A mamografia 3D aumentou a taxa de detecção de câncer – de 4,2 casos em cada 1.000 exames para 5,4.

O exame foi melhor na detecção de tumores invasivos e mais agressivos e, o mais importante, não aumentou a taxa de diagnóstico de carcinomas in situ, que têm menos risco de progredir.

A adição da tomossíntese reduziu ainda o número de "recalls", ou seja, novos exames para confirmar algum achado suspeito, o que pode causar bastante ansiedade e angústia. No grupo da mamografia, 107 mulheres em cada 1.000 foram chamadas novamente. Com a tomossíntese, esse número foi de 91.

A tomossíntese, por outro lado, gerou mais biópsias, mas elas tendiam a ser positivas, o que mostra a eficácia do exame em evitar procedimentos desnecessários

Ressalvas

O novo estudo é publicado em um momento em que os benefícios da mamografia são questionados, por conta dos falsos-positivos que podem levar a biópsias e cirurgias desnecessárias.

A tomossíntese, porém, ainda não deve tomar o lugar da mamografia tão cedo.

Alfredo Barros, mastologista do Hospital Sírio-Libanês, afirma que o exame tem várias vantagens, como mostra a pesquisa, mas lembra que o aparelho de tomossíntese custa o dobro do de mamografia e nem todos os convênios reembolsam o procedimento. Além disso, a carga de radiação é maior –ainda que isso seja compensado pela redução de novos exames para confirmar um achado.

O barateamento do exame e uma menor carga de radiação, porém, podem fazer com que a mamografia 3D seja usada no futuro para rastrear tumores de mama no país.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *