01/03/2024 - Edição 525

Saúde

Bariátrica menos invasiva, por vídeo, começará a ser realizada pelo SUS

Publicado em 02/02/2017 12:00 -

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Sistema Único de Saúde (SUS) passará a oferecer uma cirurgia bariátrica menos invasiva, realizada por videolaparoscopia. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União de quarta (1º).

Em 2016, foram feitas no Brasil cerca de cem mil cirurgias bariátricas, 10% delas na rede pública, onde o tempo de espera, em alguns casos, pode chegar a dez anos. O país é o segundo do mundo que mais realiza esse tipo de cirurgia, só perdendo para os EUA.

Na videolaparoscopia, são feitos de quatro a sete pequenos cortes (de 0,5 a 1,2 cm cada um) no abdômen do paciente, por onde passam as cânulas e a câmera de vídeo, segundo a SBCBM (Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica).

Já na cirurgia aberta, o médico faz um corte de 15 a 30 cm. Há também grande impacto no tempo de internação. Na aberta, são necessários de três a quatro dias. No procedimento laparoscópico, são apenas dois dias internado no hospital.

A recomendação da inclusão do procedimento tinha sido feita pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec) em relatório de novembro de 2016.

"A evidência atualmente disponível sobre eficácia e segurança do procedimento de gastroplastia com derivação intestinal em Y-de-Roux por laparoscopia para tratamento da obesidade grave e mórbida é baseada em revisões sistemáticas, estudos clínicos controlados e estudos observacionais", diz o relatório.

Segundo Caetano Marchesini, presidente da SBCBM, essa era uma reivindicação antiga da sociedade. "Com a videolaparoscopia podemos ampliar os atendimentos no SUS, pois tanto a cirurgia quanto a recuperação do paciente demandam um tempo menor", diz.

No SUS, a cirurgia bariátrica é indicada para pessoas que apresentem índice de massa corporal (IMC) igual ou maior que 50; que tenham IMC maior ou igual a 40, com ou sem doenças associadas, sem sucesso no tratamento clínico por no mínimo dois anos; que tenham IMC maior que 35 e com problemas de saúde como alto risco cardiovascular, diabetes mellitus e/ou hipertensão arterial sistêmica de difícil controle, apneia do sono ou doenças articulares degenerativas sem sucesso no tratamento clínico.

Recentemente, a cirurgia bariátrica voltou a ganhar destaque após o ex-jogador de futebol e senador Romário (PSB-RJ) se submeter ao procedimento na tentativa de curar o diabetes.

No caso, foi realizada a modalidade conhecida como gastrectomia vertical com interposição ileal, que, segundo estudos, é eficaz no tratamento de diabetes. O Conselho Federal de Medicina, no entanto classifica a técnica como experimental.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *