18/06/2024 - Edição 540

Meia Pala Bas

Tiro na Cara

Publicado em 24/04/2015 12:00 - Rodrigo Amém

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Eu estava com paciência zero e pressa mil. Precisei pegar um táxi. Túnel engarrafado, fiquei à mercê do piloto. E ele parecia saído de um filme do Leandro Hassum. Rayban, bigodão e palito no canto da boca.

– Tá complicado hoje, doutor – falou o motorista, me encarando pelo retrovisor.

Eu fiz um muxoxo positivo. Não vejo muito sentido em falar sobre o trânsito, sobre o tempo, sobre o vento. Mas o taxista estava disposto.

– Isso é uma pouca vergonha, né não?

Levei alguns segundos para entender que o assunto já era outro.

– Essa coisa desse traveco que arrancou a orelha do guarda. Pouca vergonha. Viu a foto?

– Não… – tentei desconversar.

– Rapá, escracharam o viadinho. Rasparam a cabeça, quebraram a cara todinha dela. Deixaram ela jogada, com as teta de fora. Foi pouco.

Não consegui responder.

– Ah, bichinha sem noção. O cara tá lá trabalhando e ele arranca a orelha do cara. Pô! E tu sabe por que ela tava presa? Por que bateu numa velhinha. Encheu a velhinha de porrada. Mandou pro hospital!

Não sei se é influência das crendices e superstições que fazem parte da identidade cultural do brasileiro. Mas sempre que um caso de violência é justificado pelo “merecimento” da vítima, o cheiro de farinha frita, catupiry e frango desfiado preenche minhas narinas. Mas eu já aprendi que argumentos não interessam a quem só tem certezas. Peguei um desvio.

– Rapaz, nem me fala – me joguei – só matando um elemento desses.

– Não é? Eu não sei como essa praga tá viva! – meu piloto mordia a isca lindamente.

– Esse é o problema desse país. Por isso que tá tudo assim. Ninguém se dá ao respeito. Se eu fosse presidente, não essa “presidanta”, não seria assim.

– Com certeza! Esse PT só quer saber de roubar! Ninguém tá nem aí pro povo.

– Ah, eu resolvia fácil. Pelotão de fuzilamento.

– Claro! – vibrou o motorista.

– Matou policial? Tiro na cara!

– Tá certo!

– Abusou de criança? Tiro na cara! Ficou de viadagem em lugar de família? Tiro na cara!

– Tenho nojo dessas bicha, dotor!

– Isso é falta de pai nessas famílias, meu amigo. Filho meu não vira veado: vira defunto.

– Eu, graças a Deus, nunca vou passar por isso! – o motorista levou às mãos pro céu.

– Filho meu é comedor, não é boiola!

– Ah, com certeza! Filho tem que ser macho!

– É o que eu falo pro meu filho. “Muleque, menininha de vestido curto na rua tá querendo. Não perdoa. Chega chegando.”

O motorista só balançou a cabeça, menos enfático.

– Aí agora tem essa frescura de assédio sexual, de estupro. Se não quisesse tomar rola, não tava quase pelada na rua, não é? É que nem o traveco. Tomou porrada porque mereceu. Não é?

– Pô, mas aí…

– É claro, parceiro! Se apanhou é porque mereceu. Se foi currada é porque fez por onde. Direitos humanos pros humanos direitos. Boiola e biscate não é gente de bem. Não tem que ter direito, não. Tem mais é que apanhar, mesmo. Tamo junto!

O motorista não respondeu. Esticou o braço para aumentar o som do rádio. A tatuagem de nome de menina em letra cursiva apareceu debaixo da manga da camisa. Eu, mau caráter caviar, desviei meus olhos e meu discreto sorriso para a Lagoa, ao som de Paulinho da Viola.

Leia outros artigos da coluna: Meia Pala Bas

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *