25/04/2024 - Edição 540

Campo Grande

Unidades de saúde da família serão referenciadas para atendimento de casos leves de dengue e síndromes respiratórias

A medida visa desafogar as UPAs e CRSs, assegurando a assistência adequada ao paciente

Publicado em 04/04/2023 10:38 - Semana On

Divulgação PMCG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Unidades de saúde da família (USFs) estão sendo referenciadas para realizar o atendimento de pacientes que apresentem casos leves de síndromes respiratórias, dengue e outras Arboviores. A medida visa desafogar as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Centros Regionais de Saúde (CRSs) e assegurar a assistência adequada ao paciente.

Atualmente, mais de 60% do volume de atendimento das unidades de urgência e emergência são de pacientes classificados como azul e verde, ou seja, de menor gravidade e que poderiam ser atendidos na Atenção Primária.

“Neste momento, estamos passando por um surto de doenças respiratórias e de dengue em nossa cidade e isso fez com que a demanda das unidades de urgência aumentassem em mais de 30%.  Desta forma, a recomendação é de que a população busque atendimento nas unidades básicas e de saúde da família, evitando assim longas esperas por atendimento”, explica o secretário municipal de saúde, Dr. Sandro Benites.

Diante deste cenário, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) referenciou 15 unidades espalhadas pelas seis regiões urbanas, que funcionarão em horário estendido para atender os pacientes de menor gravidade nas referidas condições clínicas, sem a necessidade de agendamento.

O atendimento será realizado de 7h às 19h nas seguintes unidades: Clínica da Família Iracy Coelho, Clínica da Família Portal Caiobá, Clínica da Família Nova Lima, USF Batistão, USF Coophavila, USF Itamaracá, USF Noroeste, USF Jardim Presidente, USF Moreninha, USF Oliveira, USF Paulo Coelho Machado, USF Santa Emília, USF Serradinho, USF Tiradentes e USF Vida Nova.

Estas unidades contam com médicos generalistas e especialistas em medicina da família e comunidade que estão aptos a fazer o atendimento de pacientes de todas as faixa-etárias.

As outras 59 unidades básicas e de saúde da família do município devem manter os atendimentos às demandas espontâneas e programadas, de acordo com a organização de cada uma.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *