13/04/2024 - Edição 540

Campo Grande

Tarifa de transporte coletivo de Campo Grande sobe 2,94% e vai a R$ 4,75

Em 11 anos de Consórcio Guaicurus, passagem de ônibus ficou 72% mais cara na capital

Publicado em 14/03/2024 10:14 - Semana On

Divulgação Foto: Marcus Vinnicius

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A tarifa do transporte coletivo urbano de Campo Grande foi reajustada em 2,94% elevando o preço da passagem de R$ 4,65 para R$ 4,75. A portaria da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg) determinando o aumento foi publicada no Diário Oficial desta quinta-feira (14), já está em vigor, mas a data de sua implementação ainda está sendo definida.

A portaria também estipulou que em sete datas especiais: Dia do Trabalho, Dia das Mães, Dia dos Pais, Aniversário de Campo Grande, Dia de Finados, Natal e Ano Novo, a tarifa diferenciada terá o valor de R$ 1,90, para os usuários que pagarem a passagem com cartão eletrônico recarregável.

Segundo a Agereg, o aumento é parte do processo de reajuste tarifário anual previsto no contrato de concessão do serviço, que é apurado pelo próprio órgão e submetido à consulta do Conselho Municipal de Regulação e Controle Social.

72% mais caro

Desde que o Consórcio Guaicurus assumiu o controle do transporte público em Campo Grande, em 2013, os cidadãos enfrentaram um aumento acumulado de 72,2% no valor das passagens, representando um significativo impacto financeiro para as famílias.

Originalmente, o custo de uma viagem de ônibus era de R$ 2,75, enquanto a tarifa dos ônibus executivos estava fixada em R$ 3,35. Ao longo dos últimos 11 anos, observou-se um incremento substancial nas tarifas, com apenas dois períodos de redução no preço, ambos de curta duração.

O recente aumento de R$ 0,25 na tarifa é um dos maiores já aplicados pelo Consórcio Guaicurus, superado apenas pelos ajustes realizados nos biênios 2013-2014 e 2015-2016.

Uma ordem judicial, emitida no início de março, obrigou a Agereg a implementar o reajuste tarifário sob pena de uma multa significativa, potencialmente alcançando valores milionários, caso o ajuste não fosse realizado até a data estipulada. Uma tentativa de acordo entre o Município e o Consórcio Guaicurus não teve sucesso, levando a uma situação de disputa judicial.

Esta disputa culminou com uma decisão inicial, tomada em dezembro pela 4ª Vara de Fazenda Pública e de Registros, que ordenou o reajuste da tarifa. Contudo, essa decisão foi posteriormente suspensa pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, aguardando a avaliação de um recurso da Agereg.

Em meio a essa controvérsia, a questão das tarifas de transporte público em Campo Grande continua a ser um ponto de tensão entre as autoridades municipais, o consórcio operador e a população, evidenciando os desafios na gestão e regulação dos serviços públicos urbanos.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *