25/02/2024 - Edição 525

Campo Grande

Procura por vacina contra dengue na rede particular cresce até 300% em Campo Grande

O estado registrou 146 casos confirmados da doença. Aral Moreira, Sete Quedas e Paranhos estão no topo da lista com as maiores incidências

Publicado em 01/02/2024 10:35 - Vinícius Souza – G1MS e TV Morena

Divulgação

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A busca pela vacina contra a dengue, a “Qdenga”, cresceu nos últimos dias nas redes particulares de imunização em Campo Grande. Boletim epidemiológico com dados até 27 de janeiro aponta que o estado registrou somente em 2024, 1.424 casos prováveis da doença. Aral Moreira, Sete Quedas e Paranhos estão no topo da lista com as maiores incidências.

Em uma clínica na capital, por exemplo, houve um aumento de 50% em dois meses, na procura da Qdenga. Outra, a procura da vacina teve um aumento de aproximadamente 300% após o imunizante ser incluído no catálogo do Sistema Único de Saúde (SUS).

De acordo com a enfermeira, Rakel Furtado, a procura pela vacina reflete no medo da população. Ela explica que quem já contraiu a doença e tem receio de ser infectado com uma forma mais grave.

A vacina está disponível na rede particular para pessoas com idade entre 4 a 60 anos. São duas doses, com intervalo de 3 meses, para o imunizante fazer o efeito completo.

Rede pública

No dia 25 de janeiro, o Ministério da Saúde divulgou que o Mato Grosso do Sul vai ser o único estado que todos os municípios vão receber a vacina da dengue. O estado atende todos os critérios de seleção para a distribuição do imunizante.

– O Ministério da Saúde definiu como prioridade a vacinação para crianças de 10 a 14 anos, por estarem entre o público com maior número de internados pela doença.

– Foram incluídos municípios com mais de 100 mil habitantes e com classificação alta da dengue tipo 2.

– As cidades próximas a esses locais também foram incluídas, como “regiões de saúde”.

A infecto pediatra, Ana Lúcia Lyrio de Oliveira, explica a importância de dar prioridade a crianças e adolescentes.

“As crianças demoram para corresponder a manifestação clínica, a febre é confundida com outras doenças, outras viroses, que são comuns nessa fase. O adulto, já consegue verbalizar uma melhor forma, facilitando o diagnóstico”, explica a infectologista, Ana Lúcia Lyrio.

Vacinação em Dourados

Dourados foi o primeiro município a iniciar a vacinação. O município fez uma parceria com um laboratório japonês Takeda, responsável por desenvolver a vacina Qdenga, que possibilitou que a cidade fosse a primeira do país a realizar a vacinação em massa.

A meta é vacinar 150 mil moradores. O registro da vacina foi aprovado em março de 2023, após um estudo com 28 mil pessoas. Ao todo, 17 estados vão realizar a aplicação pelo SUS.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *