13/04/2024 - Edição 540

Campo Grande

Procura de moradores de rua por abrigo aumenta 50% com chegada do frio em Campo Grande

Mais de mil pessoas em situação de rua foram acolhidas em unidades municipais desde janeiro deste ano

Publicado em 12/05/2023 10:49 - Isabelly Melo e Débora Recalde – G1MS

Divulgação Divulgação

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em períodos de frio, as pessoas em situação de rua são as mais impactadas em Campo Grande. Conforme a Secretaria Municipal de Assistência Social (SAS), as abordagens e procura espontânea pelos atendimentos do Serviço Especializado em Abordagem Social (SEAS), por meio do Centro POP, aumentam 50%.

Nas últimas semanas, as equipes de referência da secretaria têm intensificado as abordagens na região central, em praças, viadutos e demais espaços públicos, locais onde pessoas em situação de rua costumam se abrigar.

Desde a primeira frente fria deste ano, registrada em abril, as Unidades de Acolhimentos para Famílias e Adultos foram preparadas com reforço de cobertores, além da articulação de parcerias, por meio da oferta de vagas em Comunidades Terapêuticas (CT), para acolher quem precisa.

Para atender a demanda de denúncias, que podem ser feitas pelos telefones (67) 99660-6539 ou (67) 99660-1469, e ainda realizar buscas ativas, 11 equipes se revezam em turnos de 24h, durante toda a semana, incluindo fins de semana e feriados.

Ao receber uma ligação pelos canais de denúncia, as equipes da SEAS vão até o endereço indicado para fazer a oferta do acolhimento.

“No local é feito um relatório sobre a situação do usuário, caso ele seja encontrado no ponto indicado. Independente de localizar a pessoa, a equipe faz uma devolutiva para quem acionou o serviço”, detalhou a SAS em nota.

As equipes foram abastecidas com cobertores e as ações de abordagem são realizadas por educadores sociais e psicólogos.

Dados

De acordo com dados da Secretaria Municipal de Assistência Social, entre janeiro e abril deste ano as quatro unidades de acolhimento somaram 1.498 acolhidos, sendo que no mesmo período o Centro POP atendeu 2224 pessoas. No mesmo período, o número de abordagens chegou a 1.140.

As pessoas que aceitam o serviço de assistência são encaminhadas para os locais de acolhimento, entre elas a Unidades de Acolhimento Institucional para Adultos e Famílias (UAIFA’s) e a Casa de Apoio São Francisco, além da Casa de Passagem Resgate, que acolhe estrangeiros e migrantes.

Nas unidades, os usuários têm acesso à alimentação, serviços de higiene pessoal, em banheiros adaptados, dormitórios em alas separadas, inclusive com área reservada para as famílias e, ainda, roupas e agasalhos doados pela população.

“Passam por atendimento psico jurídico social e são encaminhados para serviços da rede de atendimento municipal. As equipes ainda orientam quanto a solicitação de documentos e encaminhamento para oportunidades de trabalho, em parceria com a Funsat”, explicou a SAS.

As pessoas em situação de rua que não aceitam o serviço recebem cobertores para ser protegerem do frio. “A aceitação pelo acolhimento aumenta em média 20%. Ressaltamos que as recusas de atendimento são um direito garantido ao usuário pela Constituição Federal”.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *