15/06/2024 - Edição 540

Campo Grande

Previstas para finalizarem dia 9, vacinas das campanhas seguem disponíveis em todas as unidades

Plano de Contingência em CG traz orientações e estabelece ações estratégicas de controle da ‘Varíola dos Macacos’

Publicado em 31/08/2022 9:08 - Semana On

Divulgação PMCG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Todas as 73 unidades de saúde de Campo Grande estão com as vacinas das campanhas multivacinação para atualização de caderneta e de reforço do imunizante que previne contra a poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, disponíveis. As duas campanhas, que iniciaram em 08 de agosto, estão previstas para finalizarem em 09 de setembro.

“Temos um pouco mais de uma semana para garantir que nossas crianças e adolescentes de até 14 anos de idade estejam com todos os imunizantes em dia. Assim conseguimos garantir que doenças graves, como a paralisia infantil, não voltem a circular na nossa cidade”, alerta o secretário municipal de saúde, José Mauro Filho. 

Na campanha multivacinação, estão disponíveis 18 imunizantes, sendo que apenas a vacina BCG, aplicada nos primeiros dias de vida da criança, possui um cronograma para aplicação com unidades referenciadas, para que seja evitado o desperdício do imunobiológico. 

Também são aplicadas as vacinas Hepatite B, Pentavalente, VIP, VOP, Rotavírus, Pneumicócica 10 valente, Menincocócica C, Febre Amarela, Tríplice Viral, Tetra Viral, DTP, Hepatite A, Varicela, Difteria e tétano adulto, dTpa, Meningocócica ACWY e HPV quadrivalente, em quem tem até 14 anos de idade. 

Já o reforço da Poliomielite é aplicado nas crianças entre 1 e 4 anos, indiscriminadamente, sendo respeitado o intervalo de 30 dias entre doses da mesma vacina. Este imunizante é aplicado via oral, sendo ministradas duas gotinhas à criança. Até o momento, pouco mais de cinco mil crianças nesta faixa etária foram vacinadas, o que corresponde a cerca de 9% de todo o público alvo. 

“Temos percebido uma procura muito baixa pelas vacinas. A recomendação do Ministério da Saúde é que 95% das crianças entre 1 e 4 anos receba a vacina contra pólio, mas menos de 10% seque compareceram às unidades”, lamenta o titular da pasta. 

‘Varíola dos Macacos’

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), estabeleceu o Plano de Contingência Municipal para Infecção Humana da Monkeypox (Varíola dos Macacos). O documento apresenta informações estratégicas e estabelece as orientações epidemiológicas, competências assistenciais e laboratoriais para a gestão dos casos da doença no Município.

O Plano de Contingência foi elaborado para orientar os profissionais da saúde para a resposta rápida ao atual evento de saúde pública, bem como direcionar as ações da assistência e vigilância quanto à definição de caso de Monkeypox, processo de notificação, fluxo laboratorial e investigação epidemiológica em Campo Grande.

Segundo a superintendente de Vigilância em Saúde da Sesau, Veruska Lahdo,  é importante salientar a natureza dinâmica do plano e a necessidade de reavaliar, sempre que necessário, os prazos e ações propostas em função dos diferentes cenários que, porventura, sejam observados.

“A atualização do Plano ocorrerá sempre que necessário, mediante novas evidências científicas. Em relação à incidência de casos, ou não, no Município, seguiremos monitorando e acompanhando todos os dados”, complementa.

A organização da assistência aos pacientes também está prevista no documento. Sete unidades sentinelas, uma em cada distrito sanitário, foram estabelecidas para realizar a coleta de exames de pacientes com suspeita da doença são elas:

Distrito Anhanduizinho USF Botafogo
Distrito Bandeira USF Tiradentes
Distrito Centro UBS 26 de Agosto
Distrito Imbirussu USF Ana Maria do Couto
Distrito Lagoa USF Batistão
Distrito Prosa USF Mata do Jacinto
Distrito Segredo USF Vida Nova

Todas as 73 unidades básicas e de saúde da família poderão dar a assistência e fazer o acolhimento do paciente. “É importante ressaltar que se a pessoa apresentar algum sintoma ela deve primeiramente ligar para o nosso serviço de Teleatendimento. Por lá ela será orientada a tomar a melhor conduta. Estas unidades sentinelas são referenciadas somente para a coleta, isso não significa que o paciente deve procurar somente elas. Esse fluxo de referência é somente para o serviço”, explica a superintendente.

Além de receber orientações, estes pacientes também serão monitorados pelo serviço de Teleatendimento. O serviço funciona diariamente, de 07h às 19h, pelo número 67 2020-2170.

O Plano de Contingência Municipal para Monkeypox está disponível para consulta pública. Para fazer o download da 1ª versão, clique aqui: https://www.campogrande.ms.gov.br/sesau/downloads/plano-de-contingencia-monkeypox-1a-versao/ 

Até o momento, há 69 casos notificados da doença no Município, sendo 20 descartados, 37 suspeitos e 12 confirmados. Todos do sexo masculino. A média de idade é de 34 anos.   O primeiro caso foi registrado em julho em Campo Grande.

Os principais sinais e sintomas apresentados são: febre alta e de início súbito, inchaço dos gânglios nas regiões cervical, axilar e pélvica, dores de garganta e posteriormente o aparecimento de vesículas na pele são os principais sintomas da doença, que é transmitida através de gotículas salivares ou do contato direto com a secreção expelida pela erupção na pele. 

É necessário ficar atento a todos os sintomas, porque a doença tem um período de incubação de até 21 dias, assim, todas as pessoas com quem se tem contato próximo ou íntimo neste período também podem ser contaminadas. Contudo é importante ressaltar a que o contato deve ser prolongado e íntimo, para que haja a contaminação. 

A prevenção ao contágio acontece através de medidas básicas de higiene e evitando o compartilhamento de itens pessoais, como lençóis, talheres, toalhas, roupas ou outros itens que possam ter entrado em contato direto com as vesículas ou secreções do paciente.

O cenário epidemiológico da Monkeypox pode ser acompanhado diariamente através do ”dashboard” de monitoramento implementado pelo Centro de Informação Estratégicas em Vigilância em Saúde de Campo Grande (CIEVS-CG), serviço ligado a Sesau.

O painel disponível para download na página do serviço traz informações sobre o número de casos e óbitos da doença em Campo Grande, no Brasil e no Mundo, bem como um detalhamento do cenário epidemiológicos dos casos confirmados, como a idade e sexo, data da notificação, unidades de atendimento e os sinais e sintomas apresentados.

 


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *