22/02/2024 - Edição 525

Campo Grande

Prefeitura interdita Filinto Muller em trecho danificado do Lago do Amor

Ficou programada para esta terça (17) a apresentação de três alternativas de projetos para recomposição do trecho

Publicado em 16/01/2023 9:25 - Semana On

Divulgação PMCG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Desde a manhã de sábado (14), a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) interditou a pista centro/bairro da Avenida Filinto Muller em frente do Lago Amor, entre as rotatórias das avenidas Georges Chaia e Gabriel Spipe Calarge. A medida foi tomada em comum acordo com a Sisep (Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos). A interdição foi adotada como medida preventiva diante do risco de avanço do desmoronamento do aterro de um trecho de 170 metros do passeio público e da ciclo-faixa, caso volte a chover.

A Agetran orienta os motoristas que vem pela Rua da Candelária, a virar a direita, entrar na Avenida Georges Chaia, na sequência na Rua do Hipódromo até a Avenida Gabriel Spipe Calarge, por onde alcançará a Avenida Filinto Muller. Quem vem no sentido contrário, em direção ao centro, pode seguir o mesmo trajeto.

O secretário Domingos Sahib Neto, titular da Sisep, vistoriou na manhã deste sábado o avanço do desmoronamento do aterro após as chuvas de sexta para sábado. Ele esteve acompanhado de técnicos da Secretaria e do projetista Ricardo Schetini. Ficou programada para a próxima terça-feira (17) a apresentação de três alternativas de projetos para recomposição do trecho do aterro de sustentação da pista e da ciclo-faixa próxima da travessia do Córrego Bandeira.

A primeira alternativa é recompor o aterro com o formato da obra original (com contenção do aterro com placas e trilhos); a segunda, trocar os trilhos por concreto, refazer tudo e construir paredes de concreto para proteger o barraco do córrego, mas isto envolveria a anuência da Universidade Federal, já que o Lago do Amor e a área a jusante do Bandeira, está dentro do campus da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Outra possibilidade é trocar trilhos e placas, por concreto para contenção do barranco.

O temporal do último dia 4 quando choveu 159 milímetros, precipitação esperado para todo o mês de janeiro, levou um trecho de 150 metros de aterro, arrastou placas de concreto da contenção do aterro, afundando a calçada. “Vamos escolher alternativa de projeto mais adequada tecnicamente”, explica o secretário. A obra deve ser contratada com dispensa de licitação diante da urgência da execução.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *