25/04/2024 - Edição 540

Campo Grande

Prefeitura estuda viabilidade de implantação de serviço de bicicletas compartilhadas na capital

Ciclistas comemoram inauguração da ‘passarela dos ipês’

Publicado em 13/07/2023 4:49 - Semana On

Divulgação PMCG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Foi publicada no Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande) de quarta-feira (12), a instituição de um Grupo Técnico (GT) para estudo da viabilidade de implantação do sistema de bicicletas compartilhadas na capital. É mais um passo que a Prefeitura dá rumo à mobilidade sustentável para facilitar o ir e vir do cidadão.

O grupo é formado por representantes da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), Agência Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano (Planurb), Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana (Semadur) e Subsecretaria de Gestão e Projetos Estratégicos (Sugepe), que ficará a cargo da coordenação dos estudos.

Além de reuniões e análise de projetos semelhantes, o GT já apresentou uma Minuta de Lei para implantar o sistema, que foi aprovada pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano (CMDU). O próximo passo será encaminhar o documento para a Câmara Municipal. Após isso, é feito um Edital de chamamento e a abertura para consulta pública até a viabilização da contratação do serviço.

O projeto prevê diretrizes do sistema compartilhamento de bicicleta, serviço de compartilhamento de bicicletas, a tarifa de aluguel a ser cobrada, implantação das estações, fiscalização, sanções, entre outros detalhes.

Bicicletas compartilhadas

O sistema de compartilhamento de bicicletas já é utilizado em grandes centros urbanos como Amsterdam, Nova Iorque, Paris, Berlim, Santiago, Buenos Aires, Cidade do México e Barcelona. Já no Brasil, cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, entre outras, que já desenvolveram programas similares, com benefícios comprovados pela população.

A mobilidade ativa é de suma importância para transformação das cidades, tendo em vista seus diversos benefícios de curto, médio e longo prazo. Introduzir a bicicleta como modal de Transporte Público saudável e não poluente traz vantagens como redução do tráfego de veículos automotores; promoção de estilos de vida saudáveis, redução de CO2 e melhoria na qualidade de vida. Além disso, reduz engarrafamentos e a poluição ambiental nas áreas centrais das cidades, e promove a humanização do ambiente urbano e a responsabilidade social das pessoas.

Ciclistas comemoram inauguração da ‘passarela dos ipês’

A “Passarela dos Ipês”, inaugurada na noite de terça-feira (11), em parceria com a Plaenge está pronta para ser usada e foi comemorada por representantes do ciclismo da Capital. Durante a inauguração da ponte, que passa por cima do Córrego Prosa e liga a ciclovia da Avenida Via Parque com a da Rua Antônio Maria Coelho, representantes de cerca de 10 mil ciclistas que compõem os grupos presentes no ato, ressaltaram a importância da entrega para à população.

A ponte que liga as ciclovias, também ganhou a primeira “passarela de Ipês” da Capital, um portal nas cores dos Ipês roxo e amarelo. A obra já é prevista desde 2021, por meio de um termo de compromisso entre a construtora e a Prefeitura de Campo Grande e permite que os ciclistas da Capital possam fazer o trajeto do Aeroporto Internacional até o Parque dos Poderes pela ciclovia, sem interrupções.

“A pandemia trouxe uma outra realidade para o esporte, o ciclismo ganhou muitos adeptos e isso permanece até hoje e a nossa preocupação é com a segurança, porque o ciclista é a parte frágil do trânsito, nós sempre fazemos campanhas de conscientização, mas a infraestrutura nos ajuda muito. Essa obra aqui para quem vê de fora pode parecer que não é muito, mas para nós é muito, é qualidade, é segurança, é saúde, então nós só temos o que agradecer”, descreveu o ciclista Reinaldo Tognoli, conhecido como Tuta, do grupo ADP (Amigos do Pedal).

O presidente da Comissão de Atletas de Ciclismo do Mato Grosso do Sul, Léo Matos, comemorou também a estrutura, que atende a solicitação da categoria. “A gente fala que o motorista muitas vezes não entende o ciclista, que ele também faz parte da mobilidade e que ele também precisa de cuidado. Nós sabemos que temos muita coisa para conquistar ainda, mas estamos muito felizes porque estamos com um canal aberto com a gestão municipal, sendo ouvidos e isso é muito importante para nós, sermos ouvidos e atendidos em meio a nossas demandas”.

A prefeita Adriane Lopes participou do ato e reforçou que a passarela que liga uma ciclovia a outra traz mais segurança e mobilidade aos ciclistas. “Nós temos visto, inclusive no horário de pico, o quanto as ciclovias estão sendo cada vez mais utilizadas não só para o esporte e lazer, como já foi dito, e essa ponte vai trazer mais mobilidade e segurança para essa região considerando que o trânsito aqui é muito pesado e, com a passarela, não vai ser mais interrompido nesse trajeto. Eu mesmo sou uma ciclista que surgiu da pandemia e entendo a importância desse investimento”, acrescentou.

A superintendente da Plaenge, Valéria Gabas, destacou que a parceria faz parte da iniciativa de projetos sustentáveis da incorporadora chamado “Raízes”, que busca contribuir com a sustentabilidade da cidade. “As iniciativas que beneficiam a mobilidade urbana e todo o conceito de sustentabilidade, faz parte do nosso propósito na Plaenge, que é contribuir com o crescimento da cidade, e de uma forma sustentável”, concluiu.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *