22/02/2024 - Edição 525

Campo Grande

Prefeita apresenta balanço das obras na antiga rodoviária

Ela defende o comércio local junto à grupo de empresários

Publicado em 16/09/2022 11:24 - Semana On

Divulgação PMCG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes recebeu na quinta-feira (15) a comissão de empresários do antigo Terminal Heitor Eduardo Laburu. Na reunião, a chefe do Executivo Municipal fez uma breve avaliação das obras de revitalização da antiga Rodoviária, que iniciaram em julho. A intervenção da Prefeitura vai atrair investimentos não só para a reabertura do antigo centro comercial, mas também para toda a região.

“Está em andamento a demolição de parte da estrutura que será reconstruída e a remoção do piso das plataformas. Pelo menos 15 trabalhadores estão no local. Já foi encomendada a estrutura metálica da nova cobertura”, pontuou a Prefeita. Ainda como parte do Reviva Mais Campo Grande, Adriane lembrou que as ruas no entorno, Dom Aquino e Barão do Rio Branco, já foram recapeadas e receberam calçadas com piso tátil e rampas de acessibilidade.

O local, que segue em obras, tem 235 salas e os empresários estão confiantes com o novo centro comercial da área central.

Misael Hélio Lacerda Lemos tem um escritório imobiliário há 39 anos, e há 6 mudou-se para o local. “Como eu trabalho no mercado imobiliário, já percebi os investimentos na região e a potencialidade de negócio. E as reformas ali incentivam todos os proprietários a reformar, pintar, e deixar as lojas preparados para que possa ser alugado ou montar um negócio”, destacou o empresário, destacando que já é perceptível por todos que passam por ali a mudança. “Quem passa ao redor já observa que está melhorando. Além disso, a estrutura arquitetônica do prédio é maravilhosa”.

O síndico do local, Paulo Pereira queria saber mais sobre o desdobramento da obra que além do antigo terminal, acontece no entorno do espaço. “Queríamos saber sobre a área de estacionamento, também sobre as estruturas antigas que seriam substituídas, e hoje fomos muito bem recebidos”, comentou ele, que também elogiou a obra. “Nos explicaram mais detalhadamente sobre o passo a passo das obras, que está andando super bem e em ritmo acelerado”, disse o empresário, que tem uma ótica e relojoaria há 39 anos no local.

A reunião contou com a participação do vereador Beto Avelar e do superintendente de projetos da Sugepe Cristiano Oliveira.

Sobre a obra

O prédio que abrigava o antigo Terminal Heitor Eduardo Laburu foi construído na década de 70, com 30 mil m², dos quais 5,1 mil m² pertencem ao Executivo Municipal.

Na obra estão sendo aplicados recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional, no valor de R$ 15.340.247,13, obtidos por meio de emenda da bancada federal. A Prefeitura entrará com uma contrapartida de R$ 1.258.893,64, totalizando R$ 16.598.800,77 de investimento.

O projeto de revitalização abrangerá as áreas públicas – nos dois pisos do prédio, que somam 5,1 mil m² e a construção de 3,5 mil m², em dois andares, na Rua Joaquim Nabuco, entre as antigas plataformas de embarque e desembarque dos ônibus do transporte municipal. O espaço vai abrigar a Guarda Civil Metropolitana e a Funsat. Nesta parte do prédio, funcionavam as plataformas de embarque e desembarque dos ônibus intermunicipais e o piso superior, com 1.460,09 m², abrigava os guichês para venda de passagens.

O espaço das antigas plataformas externas será adaptado para se tornar um corredor de acesso à galeria e ao edifício público, transformado em um grande calçadão com jardins contemplativos. São 2.326,53 m² margeando as ruas Joaquim Nabuco e Vasconcelos Fernandes.

O local em que funcionava o terminal de transbordo do transporte coletivo, será transformado em área de estacionamento no horário comercial. O piso será nivelado para se tornar um grande platô, espaço multiuso para eventos. O projeto contempla ainda soluções viárias para garantir maior segurança no trânsito e vagas de estacionamento, facilitando o acesso do que já foi uma das mais movimentadas galerias comerciais da cidade, um embrião do que são hoje os shoppings.

Serão implementadas soluções urbanísticas para adequar o prédio às normas de acessibilidade. As calçadas no entorno serão alargadas, o estacionamento em 45 graus retirado para inserção de jardins e áreas de estar com rampas. Estão previstas faixas elevadas de pedestres para controlar a velocidade dos veículos, o que vai aumentar a segurança de pedestres e ciclistas.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *