17/07/2024 - Edição 550

Campo Grande

Justiça analisa anulação de concessão bilionária do Consórcio Guaicurus

Segundo o Ministério Público, contrato foi direcionado para grupo de empresários e serviço prestado em Campo Grande não é satisfatório

Publicado em 17/06/2024 10:34 - Semana On

Divulgação PMCG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Na próxima quinta-feira (20), a Justiça vai julgar a ação que pode anular a concessão bilionária do Consórcio Guaicurus. O processo, relatado pelo desembargador Alexandre Raslan, será analisado pela 5ª Câmara Cível.

A concessão, questionada pela 30ª Promotoria da Comarca de Campo Grande, enfrenta acusações de corrupção e incapacidade das empresas de ônibus em fornecer um serviço adequado. O promotor Fábio Ianni Goldfinger descreveu a situação como “caótica” e afirmou que, apesar de vencer a licitação em 2012, o Consórcio não conseguiu satisfazer a população. Goldfinger apontou indícios de corrupção antes mesmo do lançamento da licitação.

De acordo com o MPMS, o Consórcio Guaicurus venceu a Concorrência nº 082/2012 graças a um acordo prévio, com pagamentos feitos ao escritório de Sacha Reck e Guilherme Gonçalves para garantir a vitória na licitação fraudulenta. O promotor destacou ainda problemas como atrasos e a necessidade de os cidadãos recorrerem a carros particulares.

O contrato, com valor estimado em R$ 3,4 bilhões ao longo de 20 anos, foi firmado em 2012. Durante a fase de audiência, o MPMS dispensou o depoimento do advogado Sacha Reck, delator chave no caso. Apesar de sua condenação por fraude em outro processo no Distrito Federal, Reck foi dispensado como testemunha de acusação. O MPMS alegou que outras testemunhas foram suficientes para esclarecer os fatos.

A delação de Reck ao MPPR revelou que a licitação foi direcionada para o Consórcio Guaicurus, com exigência da gestão municipal de incluir uma segunda empresa para aparentar regularidade. A participação de uma empresa do Paraná foi intermediada por Reck para cumprir essa exigência.

O MPMS apresentou várias irregularidades na licitação, incluindo a apresentação antecipada de garantias, exigência de pagamento ao município, ausência de justificativa técnica, e a cobrança irregular de taxas das empresas concorrentes. O processo, com 17,1 mil páginas, aguarda as alegações finais das partes antes da sentença.

A licitação foi concluída em outubro de 2012, com a vitória do Consórcio Guaicurus, formado pelas empresas Viação Cidade Morena, São Francisco, Jaguar Transportes Urbanos e Viação Campo Grande. O contrato foi assinado pouco antes do fim do mandato do então prefeito Nelson Trad, que escapou de ser réu na ação civil pública.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *