01/03/2024 - Edição 525

Campo Grande

Apoio da Prefeitura transforma Comunidade Quilombola em celeiro de produção

FAC Sustentável leva implantação de hortas comunitárias para dentro das escolas municipais

Publicado em 05/07/2023 9:22 - Semana On

Divulgação PMCG

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Desde o acesso da entrada da Comunidade Quilombola Chácara Buriti, pela BR-163, até a última casa construída nos cerca de 46 hectares de terra, o que se vê são hortaliças, frutos e legumes. O local se transformou em um tapete verde e vistoso, que alimenta um número significativo de pessoas.

As hortas tomaram conta da de toda a comunidade. Não importa para que lado se olhe, que lá estão os canteiros. Alguns já no ponto da colheita. Outros em fase de crescimento. Têm ainda aqueles que estão iniciando a plantação.

Joelton Rosa Domingos, que é produtor rural na Comunidade Quilombola Chácara Buriti, conta que as mudanças no local vieram com apoio da Prefeitura de Campo Grande, por meio da Secretaria Municipal de Inovação, Desenvolvimento Econômico e Agronegócio (Sidagro).

“Hoje, nós estamos aqui mostrando um pouco do nosso trabalho, do apoio que nós temos da Prefeitura na parte técnica, onde recebemos as orientações de plantio. É importante destacar também a ajuda que tivemos com o implemento do trator, da grade e da rotativa, onde nós conseguimos aumentar a nossa produção. Com as orientações da Sidagro nós também nos inscrevemos no PAA, onde já estamos produzindo e entregando a nossa mercadoria”, conta o produtor.

O apoio da Secretaria Municipal aos produtores vai desde a disponibilização de patrulhas mecanizadas, que auxiliam no preparo de solo e plantio de diversas culturas, na capacitação e na difusão de novas tecnologias, até os treinamentos e cursos para profissionalização dos produtores familiares, entre diversas ações que visam fomentar e gerar renda dentro das comunidades.

O Programa de Aquisição de Alimentos, por exemplo, amplia o acesso à alimentação e incentiva a produção de agricultores familiares. Uma das produtoras, Antônia Susi Rufino da Silva, elogia o programa. “Sou produtora rural na Comunidade Quilombola Chácara Buriti. Sou filha de produtor. Meus pais vieram do Ceará para cá e encontraram aqui um lugar para produzir. Quando eu casei eu vim para a comunidade e o PAA tem sido uma garantia de renda certa para nós”, relata.

Mensalmente, a Comunidade entrega cerca de 25 toneladas de alimentos no CPA (Centro de Produção de Alimentos) da Prefeitura de Campo Grande, que posteriormente são levados para as unidades da Secretaria de Assistência Social (SAS). São mais de 40 unidades atendidas.

O programa garante até R$ 12 mil, ao ano, para os participantes. Em Campo Grande, são 109 produtores, sendo 76 homens e 33 mulheres. Desse total, 28 são da Comunidade Quilombola Chácara Buriti, que devem entregar no total cerca de 80 toneladas de alimentos, totalizando cerca de R$ 336 mil pagos aos produtores.

Os alimentos beneficiam mais de 21 mil famílias inscritas em entidades assistenciais, impactando diretamente na vida de 65 mil pessoas, com a doação dos alimentos cultivados pelos agricultores familiares.

Desde o início do programa, a Comunidade Quilombola Chácara Buriti já entregou 152 toneladas de alimento entre milho verde, alface, berinjela, jiló, repolho, salsa, cebolinha, coentro, abóbora verde e madura, almeirão, rúcula, couve, pepino, maxixe quiabo, mandioca e tomate cereja.

Hortas comunitárias para dentro das escolas municipais

No primeiro semestre de 2023, o Fundo de Apoio à Comunidade (FAC) deu início à implantação das hortas comunitárias nas escolas municipais de Campo Grande. Como parte do Projeto FAC Sustentável, que tem como objetivo promover um laboratório vivo de práticas didáticas, onde possam ser ensinados conceitos sobre meio ambiente, sustentabilidade e alimentação saudável, a primeira escola a aderir ao projeto foi a Escola Municipal Professor Aldo de Queiroz, na Vila Cidade Morena. A horta foi implantada em parceria com a Semed.

A implantação das hortas é realizada por meio do FAC, em parceria com a Secretaria Municipal de Inovação, Desenvolvimento Econômico e Agronegócio (Sidagro), e visa atingir alguns dos Objetivos dos Desenvolvimentos Sustentáveis (ODS), como a meta número 2, que projeta alcançar a segurança alimentar e acabar com a fome no mundo.

Para Mariana Cristina Pereira Spina, professora do laboratório de ciências na Escola Municipal Aldo de Queiroz, a implantação da horta na unidade sempre foi o sonho da comunidade escolar. “Fiquei sabendo que a prefeitura tinha esse tipo de serviço, entrei em contato com o FAC, que nos ofereceu todo o apoio, desde os maquinários até as doações das mudas”, conta ela.

Implantada em outubro de 2022, a horta precisou ser refeita em março de 2023. Hoje, já está em seu terceiro plantio. Ainda conforme Mariana, o trabalho desperta nos alunos o interesse pelo meio ambiente e também como ter uma alimentação saudável. “Temos alunos que nunca tinham experimentado uma rúcula, por exemplo. Além disso, eles adoram sair da sala de aula, mexer na terra, arrancar os matos e regar. É uma competição para ver quem vai na horta”, ressalta a professora.

Fazem parte também do Projeto FAC Sustentável, palestras educativas, oficinas e brincadeiras lúdicas relacionadas ao meio ambiente, sustentabilidade, alimentação saudável, matemática, geografia, solos, biologia, dentre outros.

“A educação é a arma mais poderosa que você pode ter para mudar o mundo, segundo Nelson Mandela. A escola é o princípio de tudo. É onde desperta no aluno o sentimento de boas práticas futuras como alimentação saudável, cuidados com o meio ambiente, formação do caráter enquanto cidadão. A professora vai poder usar a horta para várias disciplinas, como laboratório vivo e multidisciplinar. A partir do momento que o aluno colhe o que ele planta, desperta nele a vontade de consumir, pois ele que ajudou a cuidar”, enfatiza o agrônomo do FAC Gilson Silveira
Arevalo, responsável pela implantação das hortas nas escolas.

No final de abril de 2023 foi a vez da Escola Municipal Padre Heitor Castoldi, no Jardim Nhanha, receber os primeiros preparativos para a implantação da horta. Viviane Regina de Miranda, professora do laboratório de ciência da unidade conta que a primeira colheita será feita na próxima semana.

“A ideia de se ter uma horta na escola é oferecer aos alunos a oportunidade de terem acesso a uma alimentação saudável e o conhecimento sobre o desenvolvimento sustentável. Através das hortas, os alunos se tornam multiplicadores, produzindo a própria horta dentro da comunidade que vivem, de maneira simples e eficaz”, esclarece Viviane.

Lauro Cristiano Guedes da Silva, diretor da escola, conta que os alunos estão ansiosos para a primeira colheita. “A horta é um espaço de qualidade dentro da escola, onde trabalhamos experiências novas e proveitosas. Ao realizar o plantio, o aluno acompanha o desenvolvimento do alimento, trabalha a espera, o cultivar e regar. É um espaço de mais vivência para eles, onde mexem com a terra e realizam o trabalho coletivo”, avalia o diretor.

As escolas municipais Professora Maria Regina de Vasconcelos Galvão e Tomaz Ghirardelli também já receberam o apoio do FAC e da Sidagro na implantação das hortas comunitárias. Até o final do ano, a meta é atingir cerca de 20 escolas municipais com o projeto.

Quem deseja receber o apoio do FAC para implantar a horta comunitária na escola pode enviar a solicitação via ofício no email do FAC: [email protected]. Em seguida, o engenheiro agrônomo irá realizar visita técnica no local para obter um diagnóstico das condições do espaço.

Adubos, sementes e maquinários para o manejo dos canteiros são doados às unidades escolares pelo FAC e Sidagro.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *