25/07/2024 - Edição 550

Poder

Tal pai, tal filho…

Lavagem de dinheiro: polícia do DF faz operação contra Jair Renan Bolsonaro

Publicado em 24/08/2023 9:09 - Yurick Luz - DCM

Divulgação Reprodução

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Polícia Civil do Distrito Federal cumpre, na manhã desta quinta-feira (24), mandados de busca e apreensão contra Jair Renan Bolsonaro, filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), e outros alvos. A operação mira um grupo suspeito de estelionato, falsificação de documentos, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.

Os agentes cumprem cinco mandados de busca e apreensão e dois de prisão em Brasília e em Balneário Camboriú, em Santa Catarina, “com o objetivo de reprimir a prática, em tese, de crimes contra a fé pública e associação criminosa, além de crimes cometidos em prejuízo do erário do Distrito Federal”. A informação foi divulgada pelo G1.

Há dois mandados em dois endereços ligados ao filho do ex-mandatário: um apartamento em Santa Catariana e outra no Sudoeste, área nobre de Brasília. A ação foi batizada de Operação Nexum. O nome faz alusão ao antigo instituto contratual do direito romano, “nexum”, representando a passagem do dinheiro e transferência simbólica de direitos. A operação teve a participação de 35 policiais do Decor e da Divisão de Inteligência Policial da PCDF e também da Polícia Civil do Estado de Santa Catarina.

O principal alvo da operação é Maciel Carvalho, o suposto mentor do esquema. Ele, que era instrutor de tiro de Jair Renan, já foi alvo de duas ações da PCDF neste ano, a Operação ‘”Succedere” e “Falso Coach”. Ele também foi preso janeiro deste ano.

O grupo, segundo investigações, agiria a partir de um laranja e de empresas fantasmas, usadas pelo alvo da operação de hoje e seus comparsas. O grupo também usava a falsa identidade de Antônio Amâncio Alves Mandarrari, por exemplo, para a abertura de conta bancária e proprietário de pessoas jurídicas usadas como laranjas.

Os investigados teriam forjado relações de faturamento e outros documentos das empresas investigadas, usando dados de contadores sem o consentimento deles.

A investigação é conduzida pela Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Ordem Tributária (DOT), vinculada ao Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Decor) da Polícia Civil.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *