22/02/2024 - Edição 525

Poder

Revista Time apresenta Bolsonaro como um pet da extrema direita dos EUA

Ex-presidente risca uma linha no chão para Michelle não ultrapassar

Publicado em 07/02/2023 10:23 - Leonardo Sakamoto e Josias de Souza (UOL), Ricardo Noblat (Metrópoles) - Edição Semana On

Divulgação Reprodução

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

“O ressurgimento de Jair Bolsonaro na Flórida é um espetáculo bizarro, mesmo para um estado com uma longa história de refúgio para personagens excêntricos.”

Reportagem da centenária revista Time, uma das mais importantes dos Estados Unidos, trouxe o autoexílio do ex-presidente em Orlando. Em resumo: ele aparece como uma figura patética, que se tornou destino de peregrinações de ultraconservadores brasileiros e é tratado como um pet pela extrema direita trumpista.

“Um mês atrás, ele estava liderando o quinto maior país do mundo. Agora, está vagando pelos supermercados da Flórida, comendo frango frito sozinho e sendo adulado por apoiadores no portão de uma casa modesta, de propriedade de um campeão de luta livre, em um condomínio fechado ao sul de Orlando”, afirma a Time.

Entre as oferendas calóricas oferecidas pelos brasileiros que vão visitá-lo, a revista destaca “cestas de pães, morangos, flores e Nutella”. Os peregrinos, contudo, não buscam a iluminação, mas selfies.

Não à toa, Jair escolheu a Flórida como abrigo, Estado que reúne um bom naco da rica extrema direita brasileira, latino-americana e estadunidense. E enquanto foge da Justiça brasileira por medo de ser preso pelo seu papel no planejamento de um golpe de Estado, o ex-presidente vem sendo adulado em meio a um ambiente trumpista. A revista destaca, inclusive, as conexões entre o deputado federal Eduardo Bolsonaro e os ultraconservadores norte-americanos, como Steve Bannon.

E insere a declaração de Jimmy Levy, um ex-concorrente do American Idol, popular entre o público trumpista por participar de comícios antivacina, em um evento realizado para Bolsonaro na Flórida: “Só quero dizer muito obrigado por tudo, na América somos muito gratos por você”, disse. “Todo mundo que é patriota na América está com os patriotas no Brasil.”

Por fim, a reportagem mostra que o cruzamento entre o bolsonarismo e o trumpismo gera uma crise não apenas ética, mas também estética.

“Em um evento organizado em sua homenagem por um grupo conservador de expatriados brasileiros, Bolsonaro sentou-se sob os holofotes em um pequeno palco em um shopping center em Orlando, empoleirado em uma poltrona roxa ao lado de um pufe felpudo e uma única flor. Vídeos postados por pessoas em uma pequena multidão de fãs, em sua maioria brasileiros-americanos, que pagaram até US$ 50 para ver Bolsonaro, o mostram envolto na bandeira brasileira, cercado por pessoas rezando por ele e sendo tocado por músicos”, afirma a revista.

Essa imagem tosca e, portanto, mais inofensiva do que Jair realmente é, pode lhe ser útil considerando que há um grupo de deputados e senadores democratas defendendo que Joe Biden o deporte de volta ao Brasil sem esperar o resultado do pedido de visto de turista que ele solicitou.

Afirmam que ele tem usado o território norte-americano para incitar seus seguidores a atos antidemocráticos no Brasil, como a invasão do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do STF em 8 de janeiro.

Bolsonaro está, neste momento, há 37 dias sem foro privilegiado. Por isso é um “espetáculo bizarro” que ainda não exista um pedido de prisão preventiva em seu nome por aqui.

Ex-presidente risca uma linha no chão para Michelle não ultrapassar

Carlos Bolsonaro, o Zero Dois, amou, amou, amou a reação do seu pai à declaração de Valdemar Costa Neto, presidente do PL, de que Michelle Bolsonaro poderia vir a ser uma boa candidata à sucessão de Lula daqui a 4 anos.

Jamais convidem para a mesma mesa, sequer para o mesmo ambiente, Carlos e Michelle. Os dois só ainda não se estapearam porque a turma do “deixa disso” impediu. Por ordem de Bolsonaro, Michelle apressou-se em dizer que não será candidata.

Mesmo assim, Bolsonaro aproveitou uma entrevista dada a um influenciador digital ligado ao ex-presidente Donald Trump para riscar uma linha no chão que não deverá ser jamais ultrapassada por Michelle, do contrário o casamento irá para brejo.

Para evitar que o Brasil “mergulhe no socialismo ou no comunismo”, ele disse que se vê forçado a continuar a fazer política. Não há sinais à vista de socialismo ou de comunismo. A Terra segue redonda. Mas, Michelle entendeu. É o que importa.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *